AO VIVO Radar InfoMoney: Bancos disparam na Bolsa com dados de crédito e HSBC saltando no exterior; assista ao programa desta segunda

Radar InfoMoney: Bancos disparam na Bolsa com dados de crédito e HSBC saltando no exterior; assista ao programa desta segunda

Maior parte dos empresários brasileiros pretende aumentar salários em 2011

Segundo estudo, intenção é de 85% dos empresários; percentual é maior do que o apurado em 2010 e supera em 20 p.p. a média global

SÃO PAULO – A maior parte dos empresários brasileiros, 85%, pretende aumentar os salários em 2011, segundo revela o IBR 2011 (International Business Report), realizado pela Grant Thornton.

De acordo com o levantamento, que ouviu mais de 11 mil empresas em 39 países, o percentual é 15% maior do que o apurado em 2010 e supera em 20 pontos percentuais a média global, de 65%.

“O dado chama atenção uma vez que o governo tenta frear a inflação e já anunciou medidas para controlar o consumo. O excelente desempenho econômico do Brasil nos últimos anos tem produzido um nível de emprego quase pleno, portanto as empresas que querem reter talentos têm que aumentar salários acima da inflação, provocando maiores pressões sobre os preços”, avalia o responsável pelo IBR na América Latina, Javier Martínez.

PUBLICIDADE

Apesar do expressivo número de empresários brasileiros que pretendem oferecer salários maiores aos seus funcionários, apenas 19% planejam conceder aumentos acima da inflação. Em países como o Chile, Índia e África do Sul, por exemplo, estes percentuais são de 36%, 34% e 33% dos que pretendem reajustar os salários, respectivamente.

Outros países
Dentre os países cujos empresários têm planos de melhorar os ganhos mensais de seus colaboradores, o destaque é o Chile, com 97% dos entrevistados declarando ter tal intenção. A África do Sul aparece na segunda colocação do ranking, com índice de 92%. Argentina (88%), Hong Kong (88%), Suécia (87%) e Filipinas (86%) aparecem em seguida.

No lado oposto, os países onde menos empresários pretendem reajustar os salários são Itália (31%), Japão (29%), Grécia (16%) e Irlanda (13%).