Líder: confira vantagens e desvantagens em liberar acesso às redes sociais

Para especialista, liberar o acesso a estas ferramentas no trabalho pode ser tanto negativo como positivo

SÃO PAULO – As redes sociais fazem parte do dia dia dos brasileiros e esta realidade não foge ao ambiente de trabalho. Para o líder, este cenário pode ser negativo, já que alguns profissionais têm a sua produtividade reduzida por dedicar muito tempo a este tipo de ferramenta.

Na opinião do presidente da Curriculum e especialista em recolocação profissional, Marcelo Abrileri, a situação é mais complicada quando as atividades desenvolvidas pelos colaboradores estão relacionadas diretamente com o uso do computador e internet.

“Se você é gestor e percebe que eles estão perdendo horas de trabalho nas mídias sociais, você tem um problema e precisa se posicionar perante ele”, disse.

PUBLICIDADE

Como agir?
Para ajudar o gestor, Abrileri apontou cinco soluções:

1ª Fechar totalmente o acesso ao Facebook e aos outros sites de relacionamento: esta ação já é comum entre as empresas de médio e grande porte. Para isso, basta configurar o bloqueio do acesso aos endereços das redes sociais em seus roteadores ou servidores. O gestor que optar por esta alternativa deve bloquear também os sites redirecionadores, que permitem o acesso das redes sociais através deles;

Segundo o especialista, a vantagem é que a medida fará com que os colaboradores não percam tempo com assuntos não relacionados ao trabalho. Em contrapartida, a desvantagem é que poderá prejudicar um pouco o clima organizacional com a falta de conversas sobre novidades e o que está acontecendo em volta. Alguns deles podem ficar insatisfeitos, prejudicando a atratividade da empresa;

2ª Permitir o acesso livre e estabelecer uma cultura de responsabilidade e bom senso na navegação em redes sociais: nesta situação, é importante deixar claro que há certa dificuldade, pois alguns até conseguirão administrar bem esta liberdade, outros não. “Infelizmente bom senso não é “senso comum” e, por isso, corre-se o risco de muitos não entenderem os limites desta liberdade e acabarem prejudicando seu desempenho”, acrescentou Abrileri.

O ponto positivo é que a empresa provavelmente deixará os funcionários felizes com esta decisão e, ainda, se for um lugar em que a criatividade seja algo importante, este canal de comunicação aberto ajudará a criar um ambiente mais descontraído, sem tantas regras e limitações, o que poderá ajudar no poder criativo e produtivo de muitos deles. Neste caso, a atenção deve ser em relação aos limites do uso, para saber até que ponto as redes sociais podem ajudar ou atrapalhar no desempenho durante o dia de trabalho de cada cargo específico.

3ª Permitir o acesso em horários específicos: antes do início da jornada de trabalho, na hora do almoço e após o expediente. A vantagem é que desta maneira a empresa consegue fazer com que todos fiquem focados no trabalho, mas também não se sintam totalmente “isolados do mundo digital”, pois podem acessar seus perfis nos horários predeterminados.

PUBLICIDADE

Porém, com este procedimento outros fatores podem acontecer, como o excesso de horas extras que podem se acumular por causa do horário de saída tardio ou antecipado. Ou seja, o funcionário chega mais cedo ou sai mais tarde apenas para acessar suas redes sociais, e este período acaba sendo contabilizado como horário de trabalho. Nesse caso, é importante deixar claro a todos que os profissionais serão pagos apenas pelas horas de trabalho e que, caso fiquem além do necessário para acessar esses sites, esse tempo não contará como horas trabalhadas.

4ª Adicionar horários de pausa durante o expediente, para aliviar o uso excessivo antes e depois do expediente: o horário da pausa é uma alternativa para outro problema, que é daqueles que fumam, pois ajuda a oferecer igualdade de período de relaxamento a todos, tanto aos fumantes quanto aos que não fumam, permitindo também o acesso aos sites de relacionamento nestes horários. Dessa forma, os colaboradores focam em suas tarefas e se programam para acessar suas redes sociais apenas nos períodos permitidos. 

Esta é uma solução que tem dado certo em algumas empresas, mas é necessário que a gerência tenha muito controle sobre os acessos de cada um para que eles não “burlem” os períodos permitidos. Uma saída é desenvolver um sistema automático para liberar o acesso apenas durante esses períodos. Nestes casos há de se tomar cuidado também com os navegadores que acessam o serviço nos horários permitidos, mas por permanecerem logados, continuam com estes acessos nos períodos não permitidos. O departamento de TI (Tecnologia da Informação) deve estar atento a esse detalhe. 

5ª Criar uma política de acesso diferenciada por nível hierárquico ou por departamento: para alguns departamentos, o acesso às redes sociais pode ser muito importante, enquanto para outros pode ser totalmente desnecessário. Imagina-se também que, quanto mais alto o nível hierárquico, maiores as responsabilidades deste funcionário e maior também pode ser sua liberdade de ação, bem como a possibilidade de acesso às notícias. 

Uma possibilidade é criar uma política que permita o acesso apenas para quem precisa ou para quem souber usar com responsabilidade. É fundamental deixar claro, para todos, os motivos que darão direito a uns e não a outros. Evite abrir para alguns e fechar para outros do mesmo nível hierárquico ou do mesmo departamento, pois isso poderá gerar um sentimento de exclusão e desagregar o time.

“Em todos eles há prós e contras. O importante é que os gestores conheçam sua equipe, o estilo de onde trabalham e o perfil dos funcionários, de modo a construir uma política alinhada com os dias de hoje e que seja adequada à empresa, equilibrando o clima organizacional, o rendimento dos colaboradores e os interesses da companhia”, finalizou.