RADAR INFOMONEY AO VIVO Petrobras (PETR4) sobe com petróleo, vacinas e redução de dívida; veja perspectivas para as ações

Petrobras (PETR4) sobe com petróleo, vacinas e redução de dívida; veja perspectivas para as ações

Sem justa causa

Justiça condena Vigilantes do Peso por ter demitido funcionária que engordou 20 quilos

No contrato de trabalho havia uma cláusula que previa advertências e demissão se o peso ideal fosse excedido

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A segunda turma do TST (Tribunal Superior do Trabalho) condenou a empresa Vigilantes do Peso por ter demitido por justa causa uma uma ex-funcionária que engordou 20 quilos. Dessa forma, a empresa terá que pagar as verbas rescisórias devidas pela dispensa sem justa causa, com multa de 40% sobre os depósitos de FGTS.

De acordo com o TST, a ex-orientadora foi contratada em 1992 e demitida em 2006, aos 59 anos. Neste período, ela passou de 74 quilos para 93,8 quilos.

No contrato de trabalho havia uma cláusula que previa advertências e demissão se o peso ideal fosse excedido. Além disso, a cláusula exigia a perda de peso da orientadora, no período compreendido entre as reuniões com os associados. Caso não conseguisse atingir a meta, ela teria um mês para reduzir o peso. Ao final de 60 dias, se não houvesse redução de peso, seria demitida.

Aprenda a investir na bolsa

Votação
Para o relator do processo, ministro Guilherme Caputo Bastos, apesar das diversas advertências da empresa, ela descumpriu a cláusula contratual de manutenção do peso ideal, caracterizando-se, assim, o ato de indisciplina e insubordinação que possibilitava a despedida por justa causa.

Já o ministro José Roberto Freire Pimenta, afirmou que a cláusula era abusiva e feria os direitos fundamentais da pessoa, pois não seria razoável nem possível obrigar alguém a se comprometer a não engordar. Para o ministro, não ficou provado que a trabalhadora descumpriu conscientemente a cláusula. “Essa empregada engordou por que quis?”

Por fim, o ministro Renato de Lacerda Paiva, não considerou a cláusula ilícita e discriminatória, por entender que, se o desempenho de determinadas atividades exige aptidões físicas, esta conduta não caracteriza discriminação. Porém, considerou que a orientadora não poderia ser demitida por justa causa. O ideal, segudo ele, era que a empresa teria de ter transferido a mulher para outra função.

Por dois votos a um, a Turma decidiu que a empresa não poderia ter demitido a orientadora por justa causa, mas negou que a ela tenha que pagar a indenização de R$ 20 mil pedida pela reclamante.