Horário de verão: como se adaptar para não prejudicar dia-a-dia no trabalho

É importante que as pessoas já comecem a antecipar o relógio biológico, antes que o domingo chegue

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Nosso relógio biológico está o tempo todo sincronizado, sempre antecipando os eventos. Ele já sabe a hora que devemos comer, dormir, acordar, trabalhar e relaxar. No horário de verão, no entanto, as pessoas precisam adiantar o relógio em uma hora. É quando o organismo começa a se confundir e deixa de obedecer às nossas vontades.

Segundo o educador físico da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) Marcos Santana, doutorando em Psicobiologia, é importante que as pessoas já comecem a antecipar o relógio biológico, antes que o domingo (data marcada para início do horário de verão) chegue.

Dicas

A principal preocupação das pessoas, quando chega essa época do ano, é adaptar o sono aos novos horários. Uma dica importante é: de dois a três dias antes da entrada em vigor do horário de verão, comece a dormir mais cedo. Isso evita a sonolência, a dor de cabeça e o mal-estar causados pela privação do sono.

PUBLICIDADE

Um erro comum cometido pelas pessoas, de acordo com o especialista, é acreditar que, como o dia parece mais longo, estamos ganhando uma hora, o que não é verdade. “Como demora mais para escurecer, as pessoas acham que estão ganhando uma hora e se dedicam a mais atividades. Consequentemente, acabam indo dormir mais tarde”, afirma Santana.

Quem se adapta melhor

A adaptação, explica o educador físico, depende do cronotipo de cada um. Ele explica: “há pessoas que são vespertinas, outras que são matutinas, e as indiferentes. Segundo um estudo realizado pelo Departamento de Fisiologia da USP [Universidade de São Paulo], 80% das pessoas são indiferentes. Teoricamente, essas são as que sofreriam menos com o horário de verão, pois se adaptam tanto a uma condição quanto à outra”.

O mesmo estudo mencionado por Santana mostra que, após um mês de horário de verão, a maioria dos matutinos se adaptam, não apresentando nenhum sintoma. Já o vespertino sente mais a diferença no horário.

Na opinião dele, as empresas devem se conscientizar de que os funcionários irão demorar certo tempo para se adaptar ao horário de verão, de forma que aqueles que trabalham com máquinas e equipamentos estarão mais susceptíveis a acidentes. “Os profissionais também precisam ficar mais atentos”.

Para acelerar a adaptação ao novo horário, Santana aconselha forçar mesmo o organismo. Assim, mesmo nos finais de semana, quando nosso ritmo de atividade costuma ser reduzido, tente acordar cedo e, se sentir sono à tarde, não durma. “É importante não cochilar, não dar vazão à sonolência. Uma coisa que ajuda é a exposição à claridade durante o dia”.

Para quem tem dificuldade de dormir, uma boa idéia é apostar nos alimentos fontes de triptofano, que é um aminoácido precursor da serotonina. A serotonina, por sua vez, auxilia no relaxamento e favorece o sono. Leite, derivados do leite e frango são exemplos de alimentos ricos em triptofano.