Gol não espera demissões por conta de recuperação judicial, afirma presidente

Objetivo é reestruturar balanço para a companhia voltar a crescer, diz Celso Ferrer

Reuters

Publicidade

O presidente-executivo da companhia aérea Gol não prevê demissões de pessoal relacionadas ao pedido de recuperação judicial feito pela empresa nos Estados Unidos, afirmou Celso Ferrer, em entrevista à rádio CBN, nesta sexta-feira (26).

“Não haverá demissões relacionadas a esse processo. Daqui para a frente nós queremos crescer”, disse Celso Ferrer em entrevista à rádio. O executivo acrescentou que operacionalmente a Gol tem registrado uma “recuperação significativa” após resultados positivos nos últimos trimestres. “O grande objetivo é a gente reestruturar o balanço para que a companhia volte a crescer”, acrescentou o executivo.

O Bradesco BBI reduziu a recomendação sobre a ação da Gol para “underperform” ante “neutro” e cortou o preço-alvo do papel de 10 para 1 real citando “maciça diluição de 99%”. Analistas da corretora afirmaram que preferem ações da Azul ou da Latam.

A Gol é a mais recente de uma série de companhias aéreas latino-americanas a buscar proteção da Justiça contra credores após a pandemia de Covid-19, seguindo o caminho da colombiana Avianca, da mexicana Aeromexico e da chilena Latam Airlines.

No entanto, Ferrer espera que o processo da Gol dure “significativamente menos” do que os 20 a 30 meses que outras companhias aéreas levaram para sair do processo de recuperação judicial, já que afirma que tem operações mais simples, incluindo a operação de um único tipo de aeronave.

Impacto nas ações

As ações da Gol despencavam mais de 13% na manhã desta sexta, cotadas a R$ 5,58 às 10h37, enquanto o Ibovespa mostrava recuo de 0,22%. A Azul tinha queda de 1,4%.

Download Gratuito

Guia Onde Investir 2024

Descubra as melhores oportunidades para lucrar e se proteger em 2024

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Analistas do Santander colocaram as ações da Gol sob revisão. Já o JPMorgan, que já tinha recomendação de venda para a Gol, afirmou que a recuperação judicial nos EUA não é surpresa diante da fragilidade da situação financeira da empresa.