AO VIVO Como interpretar os gráficos através da análise técnica, começando do zero

Como interpretar os gráficos através da análise técnica, começando do zero

Funcionários com maior remuneração são os mais demitidos pelos bancos

Além disso, pesquisa da Contraf-Cut revela que a maioria dos profissionais demitidos tem Ensino Superior

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – As demissões dos profissionais que atuam no setor bancário, no primeiro semestre deste ano, aconteceram, em maior número, para os funcionários que ocupam cargos hierárquicos superiores. Segundo levantamento da Contraf-Cut, divulgados na terça-feira (25), os demitidos recebiam a remuneração média de R$ 3.627,01.

Já as admissões concentraram-se nos profissionais em início de carreira, com média salarial de R$ 1.928,92. Com os resultados é possível notar que admissões estão concentradas nas faixas de dois a três salários mínimos e as demissões em faixas superiores.

“As empresas financeiras estão reduzindo os custos com o fechamento de postos de trabalho e ainda com a alta rotatividade da mão-de-obra, demitindo bancários com salários mais altos e contratando funcionários com remuneração inferior”, ressalta o presidente da Contraf-Cut, Carlos Cordeiro.

Demissões x contratações

Aprenda a investir na bolsa

Nos primeiros seis meses do ano, os bancos que operam no País demitiram 15.459 bancários, devido às fusões. “Esse é um indício forte de que o fechamento de postos de trabalho se deve, principalmente, aos processos de fusão do Itaú Unibanco e do Santander Real”, explica o secretário-geral da Contraf-Cut, Marcel Barros.

Por outro lado, houve 13.235 contratações no mesmo período. No primeiro semestre do ano passado foi constatada a criação de 8.754 vagas.

“Os bancos estão na contramão do movimento que a economia brasileira está seguindo. Enquanto os demais setores econômicos criaram 300 mil postos de trabalho no primeiro semestre com a retomada do crescimento, os bancos, que não sofreram nenhum impacto com a crise, estão fazendo o contrário”, critica Cordeiro.

Ainda segundo Cordeiro, as demissões são injustificáveis uma vez que o sistema financeiro foi o que apresentou a maior rentabilidade de toda a economia no primeiro semestre do ano, quando os 21 maiores bancos somaram lucro líquido de R$ 14,3 bilhões.

Grau de escolaridade

Engana-se quem pensa que as demissões nas instituições financeis, no primeiro semestre deste ano, aconteceram para profissionais com baixo nível de escolaridade. A maioria dos funcionários desligados (59%) tem Ensino Superior completo.

“Outra contradição é que os bancos exigem qualificação cada vez maior e forçam os bancários a custearem seu próprio aprimoramento acadêmico, mas a pesquisa mostra que as demissões estão atingindo, principalmente, os trabalhadores com maior escolaridade”, contesta Cordeiro.

Demissão por região

PUBLICIDADE

As demissões no setor bancário ocorreram, sobretudo, nas regiões Sul e Sudeste do País. O estado de São Paulo registrou um saldo negativo de 1.925 ocupações, o que corresponde a 87% do total.

Com relação ao tipo de desligamento, 31,84% dos trabalhadores pediram demissão de seus empregos. Entre os demitidos pela empresa, 61,28% foram desligados sem justa causa e 4,02% tiveram a demissão por justa causa.