Família também é culpada por parente ser workaholic

Segundo psicoterapeuta, muitas vezes, parentes absorvem obrigações da pessoa, o que faz com que compulsivos trabalhem quanto tempo quiserem

SÃO PAULO – De acordo com o psicoterapeuta Bryan Robinson, da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, a culpa de um profissional tornar-se um workaholic não é somente dele, mas de pessoas muito próximas e que são as que mais sentem os efeitos: os familiares.

O psicoterapeuta, que se dedica há mais de 20 anos ao estudo dos impactos do vício no trabalho sobre os parentes, disse que isto acontece porque a própria familiar absorve as responsabilidades do workaholic para que ele possa trabalhar o tempo que quiser.

Como isso acontece?

Ele explicou que, em alguns casos, os companheiros podem ser responsabilizados totalmente pela vida dos filhos, o que deve ser obrigação dos pais. Neste caso, apenas um sempre leva a criança ao médico, faz compras e, em situações mais graves, conversa com o filho.

PUBLICIDADE

“Também a mulher e os filhos inventam desculpas para as ausências do pai em compromissos sociais, ou ainda, mudam seus horários para se adequarem à agenda do workaholic“, disse o psicoterapeuta, segundo o periódico Administrador Profissional.

Padrão de vida

A família ainda pode contribuir, ao não aceitar um estilo de vida inferior àquele que é levado, o que obriga o workaholic a trabalhar sempre mais para manter, e financiar, um padrão que o está prejudicando.

Diante de tudo isso, as crianças estão assumindo a posição da pessoa ausente. Sentem-se responsáveis por suprir as necessidades físicas e emocionais dos irmãos mais novos e por dar suporte emocional aos pais, que se sentem sozinhos.

Mas o lado negativo é que, quando adultas, estas crianças poderão desenvolver este tipo de compulsão pelo trabalho. “Crianças excessivamente ansiosas, desinteressadas do convívio social, com baixa auto-estima ou com sintomas de depressão são algumas das evidências de que a família pode estar sendo afetada por esse tipo de conduta”, alertou.