Exploração do pré-sal irá gerar milhares de empregos, diz presidente da Petrobras

Indústria petrolífera desperta atenção dos jovens que buscam uma oportunidade no mercado de trabalho

SÃO PAULO – A exploração do pré-sal irá demandar 243 mil técnicos no País, de acordo com o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli.

De acordo com ele, faltam profissionais especializados no mercado e este é um dos gargalos para a produção na área do pré-sal. Há carência de engenheiros especializados em dutos e até mesmo de pedreiros.

A informação foi divulgada durante uma audiência pública promovida pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; e de Minas e Energia, segundo informações da Agência Câmara.

PUBLICIDADE

Oportunidade
A indústria desperta cada vez mais atenção dos jovens que buscam uma oportunidade no mercado de trabalho. José Luiz Marcusso, gerente-geral da Unidade de Negócio de Exploração e Produção da Bacia de Santos, da Petrobras, explica que, antes, os jovens associavam a indústria do petróleo a um setor pouco alinhado com a modernidade e que, ainda por cima, impactava o meio ambiente e envolvia atividades perigosas.

“Só começamos a atrair o interesse dos jovens de volta para a indústria do petróleo quando as práticas das empresas petrolíferas, de modo geral, se tornaram sustentáveis. Isso permitiu que os jovens começassem a olhar para essa indústria como uma alternativa de carreira”, afirma Marcusso.

Mas o cenário mudou nos últimos anos, com o grande crescimento da produção de óleo e gás no Brasil e também devido às grandes descobertas de óleo e gás ocorridas recentemente, principalmente no Pré-Sal da Bacia de Santos.

“É uma atividade diferente da que vínhamos fazendo, que vai exigir pessoal qualificado (…) Por isso, a empresa vem promovendo programas de formação e qualificação de pessoas”. A exploração vai acontecer a 300 quilômetros da costa, em um local com 2 mil metros de profundidade e com uma camada de sal de dois quilômetros antes do petróleo.