Emprego: em dezembro houve queda de 41,3% no total de vagas criadas

Foram 1.619 novas vagas no mês passado, contra 2.761 em novembro. Setor comercial ofereceu 31,25% dos postos

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A quantidade de novos empregos criados no mês de dezembro foi 41,36% menor do que a verificada em novembro, revela a Manager Assessoria em Recursos Humanos, em pesquisa divulgada nesta quarta-feira (04).

A empresa contabilizou 1.619 vagas no mês passado, contra 2.761 em novembro. A redução, porém, é considerada normal pela consultoria, em razão do período de férias.

Menos vagas de emprego

Aprenda a investir na bolsa

O setor comercial foi responsável por 31,25% das novas vagas, seguido pelo setor industrial, com 23,9% do total. A área Financeira foi a terceira que mais contratou (12,35%). Na seqüência, estão: Tecnologia da Informação (12,23%), área Administrativa (9,64%), Recursos Humanos (5,44%) e, nas últimas posições ficaram o setor de Compras, Logística e Suprimentos e a área Jurídica, com 4,02% e 1,17%, respectivamente.

Porém, todos os setores analisados apresentaram diminuição no número de vagas criadas. Os destaques negativos ficam com o segmento de compras, logística e suprimentos, que teve 89 vagas (-57,79%) a menos que no mês anterior, e a área financeira, com 56,71% de redução (262 postos a menos).

Apesar de também ter apresentado redução no número de empregos oferecidos em dezembro, a área comercial foi a que apresentou a menor queda. Passou de 624 vagas em novembro para 506 no mês passado, o que aponta uma variação negativa de 18,91%.

Comunicação contratou só 0,62% dos profissionais

No último mês do ano, os profissionais de engenharia continuaram ocupando o maior número de novas vagas (26,44%). Os formados em administração ficaram em segundo lugar (25,14%). Na lanterna, estão os profissionais de Comércio Exterior (1,08%), seguidos dos formados em Comunicação (0,62%).

Cerca de 87,77% das vagas disponibilizadas em dezembro exigiam o domínio da língua inglesa. O espanhol foi solicitado em 8,53% dos casos, seguido do francês, com 1,85% e do alemão, com 0,86%. Apenas 0,99% das vagas pediam um segundo idioma sem especificá-lo.

Do total de 1.619 vagas criadas, 799 (49,35%) foram em postos de gerência. Os analistas e assistentes ficaram com 530 vagas (32,74%). A diretoria/alta gerência foi responsável por 290 novos empregos (17,91%).

Boas perspectivas

PUBLICIDADE

Em relação às perspectivas para 2006, a Consultoria destaca que os escândalos envolvendo os Poderes Legislativo e Executivo em 2005 – que ainda perduram neste início de ano – não foram suficientes para abalar as expectativas das empresas no País.

Muitas delas perderam o medo de que fatores políticos tirem a economia do rumo e afetem os seus investimentos. Por isso, as previsões para 2006 são boas, com a criação de novos empregos e maior desenvolvimento econômico, informou a consultoria.