Dança das cadeiras: gestão por competências ajuda a reter talentos

Com a ferramenta, empresa pode mostrar ao concorrido mercado que seus funcionários têm os diferenciais competitivos

SÃO PAULO – “A dança das cadeiras é hoje algo impressionante. Perder um gestor ou um profissional técnico estratégico pode ser um baque. Ainda que o ditado popular diga que ninguém é insubstituível, encontrar e formar um substituto pode não ocorrer do dia para a noite”, alerta a pedagoga pela PUC-SP e diretora da área de planejamento organizacional da Ohl Braga Consultoria, Maria de Fátima Ohl Braga, que defende que a gestão por competências é essencial para a retenção de talentos, mesmo nas pequenas empresas.

Em primeiro lugar, por conta da sustentabilidade. Exemplos comuns nos dias atuais são as empresas fornecedoras de produtos ou serviços e as grandes organizações. Elas precisam se adequar às exigências referentes à governança corporativa e, por isso, passam por auditorias periódicas.

A gestão por competências é uma ferramenta muito confiável para apresentar aos auditores, uma vez que comprova que os funcionários são avaliados de tempos em tempos, de forma a auxiliar seu desenvolvimento. Mostra ainda que suas qualificações e competências estão de acordo com a função exercida. Ou seja, prova que a empresa cresce, mas de forma sustentável.

PUBLICIDADE

“A gestão por competências garante aos empresários a chance de mostrar ao mercado cada vez mais concorrido que seus funcionários apresentam os diferenciais competitivos exigidos na atualidade”.

Avaliação de desempenho

Um dos instrumentos da gestão por competências é a avaliação de desempenho. Com ela, o gestor da equipe entra em contato com eventuais gaps de performance que seus profissionais apresentam e propõe planos de ações em busca de melhoria. Dessa maneira, atinge mais rapidamente, e de forma mais efetiva, os resultados pretendidos pela empresa.

“A gestão por competência possibilita conhecer melhor os potenciais de seus talentos e aproveitá-los de forma assertiva, em oportunidade de crescimento horizontal; promover a transparência na empresa, uma vez que os profissionais passam a saber quais são os requisitos de outras áreas, podendo, inclusive, saber que ações têm de ser implementadas para se chegar a outras áreas diferentes”, diz Maria de Fátima.

Transparência na distribuição de benefício é essencial

A gestão por competências ainda permite identificar quem são os colaboradores que têm condições de receber benefícios mais significantes. Consegue também identificar, mais assertivamente, quais são os planos de custos que a empresa precisa programar para corrigir os profissionais que não estão a contento.

“Mas nenhum passo pode ser dado sem que haja transparência em todo o processo. Essa é uma medida que agrega valor econômico às empresas. Ao colaborador, é uma oportunidade de dar um upgrade em suas competências profissionais e emocionais”, completa a especialista.