Cursos on-line: internet lenta é motivo para baixo interesse

Apenas 16,10% dos moradores de São Paulo já fizeram cursos a distância e apenas 24,70% têm interesse em fazê-los

SÃO PAULO – Pesquisa realizada pela ACSP (Associação Comercial de São Paulo) revela que apenas 16,10% dos entrevistados na capital paulista já fizeram cursos on-line e 24,70% teriam interesse em fazer esse tipo de curso.

A baixa adesão pode ser explicada pela falta de tecnologia em relação à internet banda larga. Além disso, a cidade de São Paulo tem vários cursos presenciais disponíveis. “Aqui, a gente tem uma grande variedade de cursos presenciais. Então, a tendência é que a pessoa vá fazer o curso presencial”, disse a superintendente de Marketing da ACSP, Sandra Turchi.

Segundo Sandra, o público que busca o curso on-line ou são pessoas que têm pouco tempo, como executivos por exemplo, ou são pessoas de outras localidades, que estão fora dos grandes centros e não têm muitas opções.

PUBLICIDADE

Classes
Em relação às classes sociais, a pesquisa aponta que a DE é a que menos prefere fazer cursos a distância, com apenas 6,1% de preferência, enquanto nas classes AB e C, respectivamente, 10,9% e 11,5% das pessoas preferem esse tipo de curso.

Para Sandra, a classe DE não tem tanta preferência pelos cursos a distância porque ainda está se familiarizando com a internet e com a tecnologia. “É um processo que vai levar um pouco mais de tempo”, completou a superintendente.

A classe C é a que mais prefere esses tipos de cursos, porque está “buscando cada vez mais alternativas de evoluir e os cursos on-line podem ser um caminho para o acesso à informação”.

Expectativas
Para Sandra, a tendência é que aumente o número de interessados pelos cursos a distância, da mesma forma que cresceram as compras online.

Com a evolução da tecnologia e a melhoria do acesso para todas as classes, os cursos serão mais acessíveis e, assim, aumentará o número de pessoas que farão os cursos on-line. “Com a evolução da banda larga, isso [curso on-line]  vai ser otimizado”, completa Sandra