Crise afeta contratações nas multinacionais, que já revêem investimentos

Pesquisa mostra que, em outubro, pela primeira vez este ano, mercado de trabalho teve queda no número de novas vaga

SÃO PAULO – Em outubro, pela primeira vez este ano, o mercado de trabalho teve uma queda no número de vagas abertas. De acordo com pesquisa da Ricardo Xavier Recursos Humanos, no mês, foram 8,26% menos vagas abertas que em setembro último, quando havia sido registrado um crescimento de 6,63% em relação a agosto.

Segundo o presidente da Ricardo Xavier, Hélio Terra, a pequena queda decorre principalmente da influência da crise nas empresas de capital internacional, que já estão revendo seus investimentos, o que inclui a contratação de novos profissionais.

“Mas a influência dessas empresas no número de vagas ainda é pequena, pois hoje vemos que a maioria das oportunidades estão em empresas de pequeno e médio porte, de capital nacional”, garante.

Raio-X do mercado de trabalho

PUBLICIDADE

A constatação de Hélio tem fundamento. O levantamento da Ricardo Xavier mostrou que, das 2.921 vagas abertas em outubro, 2.286 delas (78,26%) vieram de empresas nacionais. E, embora o número total de vagas tenha sido menor no mês passado, na comparação com setembro, algumas capitais do País obtiveram crescimentos significativos na criação de vagas, como Curitiba (PR) e Salvador (BA), que mais que dobraram o número de posições abertas. Curitiba cresceu 143,51% e Salvador, 178%, respectivamente.

A pesquisa abrange os estados de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul, Paraná e Rio de Janeiro. São Paulo contabilizou 53% das vagas, sendo 14% dessas em Campinas e 6% em São José dos Campos; Rio de Janeiro respondeu por 22% das vagas; Minas Gerais, por 14%; Rio Grande do Sul, por 7%; Paraná, por 4%; e Bahia, por 3% das vagas.

Confira as dez áreas que mais abriram vagas no último mês:

  • Setor comercial: 13%;
  • Administração: 13%;
  • Tecnologia da Informação: 11%;
  • Engenharia: 11%;
  • Indústria: 6%;
  • Recursos Humanos: 7%;
  • Setor financeiro: 7%;
  • Área Contábil: 4%;
  • Diversas outras áreas: 28%.