Convidado para trabalhar em outra filial? Sorria, você está em alta na empresa

Isso porque, dentre os critérios considerados para propor tal mudança, estão experiência, postura e reconhecimento

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Diferentemente do que algumas pessoas imaginam, profissionais que são convidados a trabalhar em uma filial da empresa não são funcionários problemas dos quais a chefia quer se livrar. Pelo contrário, segundo a consultora de Planejamento de Carreira da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Erica Macedo, quem recebe um convite destes pode sorrir, pois está bem avaliado na empresa.

Isso porque, explica ela, dentre os critérios considerados para propor tal mudança, estão postura, experiência, reconhecimento do trabalho, objetivos pretendidos do profissional e a demonstração de interesse em novos desafios.

Além disso, quando as empresas convidam seus próprios funcionários a mudarem de filial é porque já conhecem o trabalho desempenhado e têm interesse em mantê-los na empresa.

Aprenda a investir na bolsa

“Quando essa transição ocorre, a empresa tende a preservar ou aumentar as condições de conhecimento daquele profissional dentro da organização, justificando o convite da mudança para outra filial”.

Avaliando o convite
Na hora de decidir se aceita ou não o convite feito pela empresa, além dos aspectos pessoais, o profissional deve encará-lo como uma oportunidade de um novo desafio para sua carreira, de quebrar paradigmas e desenvolver novos contatos, sendo que, se o convite for aceito, o profissional deve estar preparado para as mudanças.

“Se a pessoa estiver disposta a aceitar um novo ambiente de trabalho, pode transformar a proposta em um grande desafio para sua carreira e em bons resultados para a empresa”, ressalta.

Por outro lado, se o profissional decidir não aceitar o convite, não há motivos para se preocupar, diz a consultora, pois a recusa não irá comprometer sua carreira dentro da organização.

“O convite não deixa de ser um reconhecimento da empresa pelo trabalho realizado pelo profissional, mas, ao mesmo tempo, é necessário saber se o mesmo tem condições de aceitá-lo, pois outros aspectos poderão estar envolvidos, como a mudança de cidade e a aceitação da família”.