Conheça o perfil dos participantes das festas de final de ano das empresas

Eventos são difíceis de agradar a todos. Reclamações mais comuns são que as festas são muito distantes, chiques ou cafonas

SÃO PAULO – Para alguns profissionais, as palavras “Festa de Final” podem soar como músicas aos ouvidos, mas, para outros, elas podem causar arrepios. Isso porque, dentro de uma empresa, existem aqueles que não veem a hora de começar a comemoração e aqueles que esperam ansiosamente pelo momento de determinar.

O mestre em Administração de Empresas, professor da Universidade Mackenzie e professor tutor da FGV-RJ, Marcos Morita, explica que estes eventos são difíceis de agradar a todos. Segundo ele, as reclamações mais comuns são que as festas são longe demais, muito cedo, muito tarde, cafonas, chique demais, servem comida ruim ou pouca variedade, entre outras.

Perfil dos participantes
Pensando nos tipos que frequentam as festas de confraternização, o especialista apontou alguns perfis. Veja abaixo se você se identifica com algum:

PUBLICIDADE

Papa-léguas: avessos a este tipo de comemoração, resolvem dar uma passadinha com receio dos comentários de chefes e colegas de trabalho. Têm na ponta da língua desculpas como “tenho outra festa ou estava trabalhando até agora”. Como o pássaro homônimo, costumam sair com a mesma velocidade que chegaram aos ambientes.

Viciados em trabalho: não esquecem seus afazeres, nem mesmo enquanto comem ou bebem. Costumam se aproveitar do clima informal para resolver problemas ou cobrar pendências, entre um copo de uísque ou bolinho de queijo. Por esta razão, costumam ser vistos sozinhos, passeando entre as mesas e rodas de conversa.

Bem-vindos: em toda a empresa há aquele sujeito boa-praça e comprometido, o qual costuma resolver os problemas de todas as áreas. Bem recebido em todos os grupos, costuma aguardar com ansiedade a festa de confraternização, sugerindo, ajudando e participando ativamente em sua organização.

Bajuladores: o mais famoso e antigo dos grupos é também o mais estratégico, identificando seus alvos com precisão milimétrica. Podem ser vistos ao lado ou ao redor das rodas de diretores, superintendentes ou vice–presidentes. Comparados aos paparazzi, adoram uma foto ou bajulação.

Soltinhos: gostam de aproveitar a festa, exagerando muitas vezes na dose, literalmente. Com mais álcool e menos juízo, costumam criar situações hilárias ou embaraçosas, as quais servem para compor o mural de fotos ou as lendas que povoam todas as empresas. A situação piora quando decidem enfrentar a lei seca.