Como decidir qual é o melhor MBA para você?

Para consultora, o melhor é escolher cursos de áreas complementares ou que sejam seu Calcanhar de Aquiles, isto é, seu ponto fraco

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O MBA é opção de muita gente hoje em dia. Menos teórico e mais prático, esse tipo de curso lato sensu tem atraído inúmeros executivos. No entanto, com a oferta cada vez maior, tanto em número de instituições quanto de cursos, é comum a indecisão com relação à escolha, ainda mais se levarmos em conta o alto investimento que um MBA requer.

Para decidir qual é o melhor para você, saiba, antes de mais nada, que se trata de um investimento estratégico em sua carreira profissional. Por isso, a primeira dica da consultora do Career Center, Cássia Lourenci, é entender seu objetivo.

“Todo profissional deve ter um plano de carreira. Então, a escolha do MBA precisa passar pelo que a empresa espera de você e pelo que você espera. Por isso, não deixe de colocar no papel seu plano de carreira”, adverte a especialista.

Área de estudo

Aprenda a investir na bolsa

Quanto à área a ser selecionada, Cássia opina que o melhor é escolher as complementares ou que sejam seu Calcanhar de Aquiles, isto é, seu ponto fraco. “A maioria dos profissionais tem o hábito de fazer MBA na própria área, o que agrega pouco. Não que seja ruim, mas agrega muito pouco”.

Ela recomenda, por exemplo, que um engenheiro faça MBA em marketing e um gestor de Recursos Humanos em finanças. “Para um dia chegar a diretor geral, é importante ter um conhecimento mais amplo”, justifica.

Uma área importantíssima, na qual vale a pena se especializar, na opinião da consultora, é a de gestão de pessoas. “Hoje, os profissionais que ocupam posições de liderança são excelentes técnicos, mas, em muitos casos, falta habilidade de gerir pessoas”.

Últimos passos

Feito tudo isso, analise a grade curricular dos cursos selecionados. Visite as instituições e, na secretaria, peça o contato de profissionais que já tenham feito o curso. É importante buscar referências. Avaliar o histórico dos docentes também pode ajudar.

Por fim, atente aos pré-requisitos para entrar no curso e veja se tem seu perfil. Alguns cursos com módulo internacional exigem fluência no idioma do país de destino. Sem ela, esqueça, pois dificilmente conseguirá cursar o módulo.

De maneira geral, Cássia lembra que os requisitos são terceiro grau completo, formação no ensino superior há no mínimo cinco anos – algumas escolas pedem menos, como três anos – e estar atuando em áreas afins. Normalmente, não há testes na seleção. “O que é decisivo é a entrevista pessoal que é feita”, finaliza.

PUBLICIDADE