Começar de novo: veja como encarar o emprego novo após uma demissão traumática

Profissional também deve saber que existem lugares para todos. E errar é a melhor forma de aprender

SÃO PAULO – Começar em um emprego novo é sempre sinônimo de insegurança. “Afinal, normalmente, já tem um grupo formado, que se conhece há um bom tempo, e conhece a empresa com os olhos fechados, enquanto você não sabe de nada. Além disso, fazer parte da ‘turma’ demora um tempinho”, explica a diretora operacional do Grupo Soma, Adriana Arienti.

Entretanto, essa situação é ainda pior quando o profissional acabou de ser demitido do emprego anterior, situação que, invariavelmente, causa redução da auto-estima. O que ninguém sabe é que isso pode, na verdade, ser bom. “As pessoas são demitidas por conta de equívocos que cometeram ou de injustiças, uma vez que o ser humano é passível de erros. Porém, uma vez que elas sabem o motivo da demissão, poderão aprender com isso e aumentar as chances de se darem bem na nova empresa. Mesmo que tenham sido demitidas por injustiça, aprenderão a lidar com pessoas.”

Lugar para todos

A verdade é que a melhor forma de aprender é errando e situações embaraçosas como uma demissão podem acrescentar na bagagem profissional. O profissional também deve ter em mente que existem lugares para todos. Longe de ser um consolo para espantar a tristeza, a frase é verdadeira e prova que não é somente porque alguém não se adaptou em determinada empresa que não se adaptará em nenhuma outra. “Todos são diferentes e uma demissão, na verdade, tem tudo a ver com o ramo de atividade da empresa, a função exercida e o ambiente de trabalho“, garante.

Outras dicas

PUBLICIDADE

Para conquistar espaço na empresa nova, a recomendação de Adriana é saber o que está fazendo, explorar o ambiente de trabalho, antes de tomar decisões ou chamar a atenção, além de observar como se comportam os colegas, descortinar as hierarquias e fazer o maior número de perguntas aos superiores. Enfim, saber onde está pisando. “Cada empresa tem seu código de ética”, completa.