Carreira: largar ou não o emprego para se dedicar ao novo bebê?

Dilema enfrentado pela maioria das profissionais que se tornam mães permite que as mulheres se descubram ainda mais flexíveis

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Tomar uma decisão profissional não é nada fácil, seja qual for a época da vida. E quando o assunto é maternidade não poderia ser diferente. Sem querer interromper a trajetória da carreira, as futuras mamães enfrentam um grande dilema: largar ou não o emprego para se dedicar ao bebê?

É claro que qualquer medida extremista aqui seria prejudicial, de alguma forma, a todos. Afinal, um bebê requer atenção especial, sobretudo nos primeiros anos de vida. Por outro lado, você também sente falta da dinâmica do mercado de trabalho e do exercício de sua profissão. Neste sentido, abandonar tudo ou se ausentar demais não será saudável em momento algum.

Cautela: decisão quase sempre pesa no bolso

Por esta razão, muitas mulheres optam pela pausa temporária na carreira ou redução do ritmo de trabalho, abdicando de alguns confortos e contando, quando possível, com a ajuda do parceiro. Na falta deste, o corte de despesas supérfluas é o mais recomendado, embora com um recém-nascido esta seja uma idéia mais difícil de ser posta em prática.

Aprenda a investir na bolsa

Isto porque passar a trabalhar meio período, como fazem muitas, implica muitas vezes na redução salarial e rebaixamento de cargo. Para quem opta pelo trabalho autônomo, até que se consiga clientes suficientes, também há uma menor disponibilidade financeira, mesmo entrave encontrado por quem opta por abrir um negócio próprio. É preciso tempo para que as coisas deslanchem.

Nos dias atuais é difícil para uma mulher ser realizada apenas sendo mãe. A concretização de um sonho e dedicação ao rebento, dificilmente, no longo prazo, irá suprir o status social que um bom emprego e uma carreira realizadora lhe proporcionam. São tarefas que se complementam.

Ter um filho é parar por um momento e refletir sobre diversos aspectos: sou feliz no meu trabalho? É isto que realmente quero para mim? Vale a pena fazer tantas horas extras? Os gastos com babás e/ou berçários justificam continuar trabalhando se meu marido pode bancar tudo? Estas são apenas algumas das muitas perguntas que surgem neste período.

Muito tempo para pensar

A descoberta de uma gravidez se dá logo no início da gestação, de forma que há muito tempo para se pensar sobre as mudanças profissionais que poderão acontecer. Some a este período a licença-maternidade, e terá então tempo suficiente para tomar decisões sem qualquer precipitação.

Você não passou tanto tempo batalhando para depender unicamente da renda de seu companheiro. Portanto, planeje-se bem e acumule uma renda suficiente para suprir suas necessidades pessoais durante este período em que se dedicará apenas ao filho. Coloque tudo na ponta do lápis para saber a renda que terá disponível neste período.

Não pare com tudo

Finalmente, se a sua intenção é se desligar de vez do mundo corporativo, entrar de cabeça na dedicação ao lar e estar mais presente do dia-a-dia do pequeno, estude bem a possibilidade de continuar tendo algum tempo exclusivamente para você, pois o afastamento do mercado pode ser algo chocante para algumas pessoas. Procure cursos ligados à sua área e aproveite para voltar à sala de aula e enriquecer seu conhecimento e currículo. Boa sorte!

PUBLICIDADE