Administração é o curso superior mais procurado do Brasil

De acordo com levantamento do MEC, em 2009, 1,1 milhão de estudantes se matricularam em um curso de administração

SÃO PAULO – Administração de empresas é o curso superior mais procurado do Brasil, segundo revelam dados do Censo da Educação Superior de 2009, divulgados nesta quinta-feira (13) pelo MEC (Ministério da Educação).

De acordo com o levantamento, naquele ano, 1,1 milhão de estudantes se matricularam em um curso de administração de empresas. O número é 68,8% maior do que o das matrículas registradas no segundo curso mais procurado, o de direito, com 651,7 mil alunos.

Na tabela abaixo, é possível conferir os dez cursos mais procurados do Brasil:

Cursos mais procurados
CursoMatrículas
Administração1,1 milhão
Direito651,7 mil
Pedagogia573,8 mil
Engenharia420,5 mil
Enfermagem235,8 mil
Ciências contábeis235,2 mil
Comunicação social221,2 mil
Letras194,9 mil
Educação Física165,8 mil
Ciências Biológicas152,8 mil

Considerando os cursos presencial e à distância, administração (17,1%), direito (12,7%) e engenharia (8,2%) foram os mais procurados no primeiro caso, enquanto que, no segundo, pedagogia (34,2%), administração (27,3%) e serviços social e orientação (8,1%) foram os preferidos.

Outros dados
Ainda segundo o estudo, em 2009, houve um crescimento de 13% na oferta de cursos, que somavam 28.966. Os cursos de educação à distância foram os principais responsáveis pelo aumento, com avanço de 30%. No mesmo período, os cursos presenciais apresentaram alta de 12,5%na oferta de cursos.

Com o aumento na oferta de cursos, é cada vez mais importante que o aluno escolha com atenção a graduação e a instituição de ensino onde irá estudar. Isso porque os dados do Censo apontam que somente 1,39% das instituições podem ser consideradas de excelência, com nota 5 – em uma escala de 1 a 5 , com 5 sendo o melhor resultado –, segundo avaliação do MEC.

A maior parte das escolas (52,7%) é considerada razoável (nota 3) e 6,92%, com nota 4, são satisfatórias. Outras 38,32% receberam nota 2 e 0,67% teve nota 1.

No que diz respeito aos cursos, apenas 5,5% dos avaliados pelo Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes) alcançaram nota máxima. Neste caso, 1 e 2 são classificados como insatisfatórios, 3, como razoáveis, 4 e 5, bons.

Os cursos com piores desempenhos responderam por 32,33% do total de avaliados, sendo 28,4% com nota 2 e 3,93% com nota 1.

PUBLICIDADE