Conteúdo editorial apoiado por

Usinas ainda esperam reação do etanol

Preço médio do biocombustível em janeiro foi o mais baixo desde setembro de 2020

Alexandre Inacio

Publicidade

Janeiro chegou ao fim, mas a esperança das usinas em uma reação dos preços do etanol hidratado ainda não. O valor médio recebido pelas indústrias no mês passado foi o menor desde setembro de 2020. Em 12 meses, a queda é de quase 30%.

A baixa reflete uma safra recorde, com o maior volume do biocombustível já produzido na história. Diante da oferta abundante, o valor médio de janeiro de 2024 foi de R$ 1,914 por litro, em plena entressafra da produção nacional.

A situação é tão crítica, que a União da Indústria de Cana-de-açúcar e Bioenergia (UNICA) lançou em meados de janeiro uma campanha de estímulo ao consumo. A entidade jura que as rações para o investimento da ordem de milhões de reais não se deve aos preços baixos e estoques elevados, mas sim, às questões ambientais.

Rodando há duas semanas, a campanha dá sinais de estar surtindo algum efeito. Na última semana de janeiro, o preço do etanol hidratado teve a maior alta semanal da safra 2023/24. As usinas voltaram a receber mais de R$ 2 por litro.

Agora, a expectativa é que a tendência se mantenha. Além do estímulo ao consumo com a campanha, os preços da gasolina devem subir e dar mais competitividade ao biocombustível. Desde ontem, os Estados elevaram de 18% para 20% a alíquota de ICMS sobre a gasolina

O mercado ainda não reagiu, mas, para quem esperou até agora, a esperança é que o etanol volte a apresentar margens mais atraentes.

Newsletter

IM Business Agro

Inscreva-se na newsletter e receba análises exclusivas sobre tudo que movimenta o universo do agronegócio, além de uma curadoria com o que de melhor aconteceu ao longo da semana

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.