Conteúdo editorial apoiado por

Sony está planejando cancelar fusão de US$ 10 bilhões com a indiana Zee

Combinação Sony-Zee pretendia criar um gigante da mídia no país de maior população do mundo

Bloomberg

Publicidade

A Sony está planejando cancelar acordo de fusão de sua unidade na Índia com a Zee Entertainment, disseram pessoas familiarizadas com o assunto, colocando fim a uma iniciativa que buscava criar uma gigante de mídia de US$ 10 bilhões.

O conglomerado japonês pretende cancelar o acordo devido a um impasse sobre se o CEO da Zee, Punit Goenka, iria liderar a empresa  resultante da fusão, disseram as fontes. Embora o acordo assinado em 2021 previsse que Goenka lideraria a nova empresa, a Sony não o quer mais como CEO em meio a uma investigação regulatória

A Sony planeja apresentar o aviso de rescisão antes do prazo de 20 de janeiro para fechar o acordo, dizendo que algumas das condições necessárias para a fusão não foram cumpridas. Goenka manteve sua posição ao querer dirigir a entidade resultante da fusão, conforme acordado inicialmente, durante reuniões nas últimas semanas. 

As discussões ainda estão em curso entre as duas partes e uma resolução ainda pode surgir antes do dia 20. Representantes da Sony e Zee não responderam imediatamente a e-mails e telefonemas solicitando comentários. 

Briga na reta final

O fracasso do acordo devido à disputa de liderança na última volta não apenas deixará Zee vulnerável a possíveis inadimplências, mas ocorre em um momento em que o bilionário Mukesh Ambani está tentando reforçar as ambições de mídia da Reliance, negociando uma fusão com a unidade da Walt Disney na Índia.

A combinação Sony-Zee pretendia criar um gigante da mídia de US$ 10 bilhões com força financeira para enfrentar as potências globais Netflix e Amazon, bem como pesos pesados ​​locais como a própria Reliance.

Zee, com sede em Mumbai, havia solicitado em 21 de dezembro uma prorrogação do prazo para fechamento da transação por um mês. A Sony disse então que queria ouvir as propostas de Zee sobre a conclusão das “restantes condições críticas de fechamento”. 

O Securities and Exchange Board of India (SEBI) alegou em junho que Zee falsificou a recuperação de empréstimos para cobrir acordos de financiamento privado do seu fundador, Subhash Chandra. Chandra e seu filho, Goenka, “abusaram de sua posição” e desviaram fundos, disse a SEBI em uma ordem provisória, impedindo Goenka de nomear executivos ou diretores em empresas listadas.

A Sony vê a investigação em andamento como uma questão de governança corporativa, informou a Bloomberg anteriormente.

Sony Pictures Networks Índia  teria detido uma participação de 50,86% na empresa de mídia resultante da fusão e a família de Goenka deteria 3,99% na transação proposta, de acordo com o acordo de 2021. A fusão proposta recebeu quase todas as aprovações regulatórias e teria ajudado a expandir os negócios de mídia da Sony no país mais populoso do mundo.

© 2024 Bloomberg LP

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.