Conteúdo editorial apoiado por

Sanofi compra fabricante de medicamentos para doenças raras por US$ 2,2 bilhões

Aquisição representa mais uma aposta da gigante francesa em reduzir sua dependência de seu ‘best seller’ Dupixent

Bloomberg

Publicidade

A Sanofi concordou em comprar a empresa de biotecnologia norte-americana Inhibrx por até US$ 2,2 bilhões, dando à farmacêutica francesa uma terapia potencial para uma doença genética que afeta os pulmões e o fígado. 

A aquisição é a mais recente de uma série de negócios de pequeno e médio porte, à medida que a Sanofi busca dobrar sua aposta em medicamentos inovadores e reduzir sua dependência do medicamento de grande sucesso para asma Dupixent.

Os acionistas da Inhibrx receberão US$ 30 por ação como parte do acordo, juntamente com o direito de receber US$ 5 em dinheiro se o medicamento experimental cumprir um marco regulatório.

O CEO da Sanofi, Paul Hudson, anunciou uma nova era de pesquisa e desenvolvimento de ponta na empresa, emulando rivais como Novartis e Roche Holding. Seu plano inclui aumentar os gastos da Sanofi com o desenvolvimento de medicamentos nos próximos anos, uma meta que exigiu o abandono de antigas metas de lucro e irritou alguns acionistas. 

Hudson argumenta que o pipeline de medicamentos experimentais da Sanofi é agora tão promissor – juntamente com os recursos da empresa para adicionar a ele com negócios como este – que aumentar os gastos criará mais valor no longo prazo.

Com o acordo Inhibrx, a Sanofi adquire todos os ativos e passivos associados ao medicamento experimental INBRX-101, uma terapia para tratamento de pacientes com deficiência de alfa-1 antitripsina. Pessoas com a doença genética produzem baixos níveis de uma proteína que ajuda a proteger os pulmões, aumentando o risco de danos causados ​​pelo fumo, poluição e poeira.

‘Potencial aprimorado’ 

A Sanofi espera financiar a transação com recursos disponíveis em dinheiro. O acordo ocorre no momento em que a empresa adquire ativos promissores nas áreas de câncer, terapia genética e doenças raras, em meio a uma corrida renovada por negócios no espaço de biotecnologia. 

A terapia de chumbo da Inhibrx, com sede em La Jolla, Califórnia, recebeu revisão acelerada em maio passado e tenta tratar a causa genética mais comum de doença hepática em crianças.

“A aquisição do produto pela Sanofi proporciona uma validação externa do produto e aumenta o potencial comercial do medicamento devido à liderança existente da Sanofi em doenças sanguíneas”, escreveram Thibault Boutherin e colegas do Morgan Stanley numa nota. 

O best-seller da Sanofi, Dupixent, mostrou resultados de testes promissores em uma doença pulmonar chamada doença pulmonar obstrutiva crônica, ou DPOC, uma das condições que podem afetar pessoas com deficiência de alfa-1 antitripsina. 

A empresa afirmou que os seus planos para aumentar os gastos em investigação e desenvolvimento levarão a um aumento de 50% no número de ensaios clínicos em fase final em 2024 e 2025. 

Os novos produtos nos quais a Sanofi está trabalhando incluem Altuviio para hemofilia e Tzield para diabetes tipo 1. Os medicamentos experimentais mais promissores da empresa incluem o amlitelimabe, para o tratamento da dermatite atópica, uma doença crônica da pele, e o frexalimabe, para combater, entre outras coisas, a esclerose múltipla. 

© 2024 Bloomberg LP

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.