Conteúdo editorial apoiado por

Para CEO da B3, destaque de 2024 será mercado de dívida, não IPOs

Executivo avalia que a volta dos IPOs, quando ocorrer, deve ser capitaneada por grandes empresas, de setores tradicionais

Lucinda Pinto

Publicidade

Depois do jejum de 2023, a ansiedade do mercado pela volta dos IPOs está alta. Mas, para o presidente da B3, Gilson Finkelsztain, ainda não será em 2024 que o mercado verá uma onda de novas ofertas. O cenário está muito mais estável, é verdade: muitas das incertezas políticas ficaram para trás, e a inflação sob controle permitirá a queda da Selic. Mas há um caminho para que o mercado se abra pra valer para as novas histórias. Por ora, diz Gilson, o que deve crescer é o número de follow-ons.

“A gente tem mais de 100 empresa se preparando ao longo os últimos 3 anos para abrir capital, mas isso não deve acontecer agora”, afirma. “Mas não se mede o desenvolvimento do mercado de capitais só por IPOs.”

Gilson Finkelsztain (Presidente da B3)
Gilson Finkelsztain, CEO da B3 (Alan Santos/PR)

A volta dos IPOs, quando ocorrer, deve ser capitaneada por grandes empresas, de setores tradicionais. “Não deveremos ver ofertas daqueles grandes empresas deficitárias, como houve no passado”, diz. O setor de tecnologia é um que deve se destacar.

Teremos IPOs de volumes e setores tradicionais para depois virem as empresas medianas. Várias empresas de tecnologia virão a mercado, mas serão as que já atingiram break even”, diz. E, desta vez, Gilson acredita que as operações serão feitas no Brasil. “Existe quase um consenso de que fazer IPO fora do país é menos vantajoso do que fazer no Brasil.”

O fato de ter havido mais de R$ 30 bilhões em ofertas subsequentes em 2023 com juros ainda altos é um sinal de que o mercado está saudável. Outra medida de bom funcionamento do mercado foi o segmento de crédito privado. “Há dez anos, não havia cheque de R$ 1 bilhão , e agora vemos muitas operações grandes toda a semana”, diz.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Lucinda Pinto

Editora-assistente do Broadcast, da Agência Estado por 11 anos. Em 2010, foi para o Valor Econômico, onde ocupou as funções de editora assistente de Finanças, editora do Valor PRO e repórter especial.