Conteúdo editorial apoiado por

Oceânica quer acabar com jejum de IPOs no Brasil

Empresa que atua na indústria marítima contratou seis bancos para tentar sua oferta pública inicial

Rikardy Tooge

Publicidade

A Oceânica Engenharia anunciou na manhã desta quarta-feira (17) que iniciou estudos para uma oferta pública inicial (IPO, em inglês) com a contratação de seis bancos para coordenarem a potencial operação, que poderá dar fim à seca de mais de dois anos de novas empresas na Bolsa.

Em comunicado enviado ao mercado, a empresa explica que oferta seria primária (para o caixa) e secundária (para a saída ou diminuição da posição de algum acionista). A Oceânica acrescenta ainda que o montante da potencial transação ainda não foi definido, mas os recursos levantados na primária serão destinados à aquisição de embarcações, máquinas, equipamentos e aumento da posição de caixa da companhia.

De janeiro a setembro do ano passado, a companhia registrou receita líquida de R$ 684,3 milhões, com crescimento de 40,1% em relação a igual período de 2022. O lucro líquido foi de R$ 19 milhões, alta de 88,7% no mesmo comparativo.

Fundada em 1978, a empresa fundada por Alfredo Califfa iniciou suas atividades atendendo hidrelétricas e instalações portuárias. Atualmente, atende empresas de óleo e gás, entre elas a Petrobras, e possui 13 embarcações.

A Oceânica contratou BTG, Itaú BBA, UBS BB, Bradesco BBI, Santander e Banco ABC para prospectarem interessados no IPO.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tópicos relacionados

Rikardy Tooge

Repórter de Negócios do InfoMoney, já passou por g1, Valor Econômico e Exame. Jornalista com pós-graduação em Ciência Política (FESPSP) e extensão em Economia (FAAP). Para sugestões e dicas: rikardy.tooge@infomoney.com.br