Conteúdo editorial apoiado por

Morre trader que teria sido inspiração para Gordon Gekko, do filme “Wall Street”

Ivan Boesky atingiu o auge da fama na Wall Street dos anos 1980, mas foi acusado em dos maiores escândalos de insider trading da década

Bloomberg

Ivan F. Boesky (Reprodução)

Publicidade

Ivan Boesky, que atingiu o auge da fama como trader de alto nível em Wall Street na década de 1980 e foi considerado culpado num escândalo de informação privilegiada (insider trading) que marcou aquela década, morreu. Ele tinha 87 anos.

O jornal The New York Times noticiou sua morte, citando sua filha, Marianne Boesky. Nenhum detalhe sobre a morte está disponível.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Continua depois da publicidade

À medida que as junk bonds alimentavam uma onda de aquisições hostis, Boesky tornou-se o arquétipo do especulador experiente, obtendo centenas de milhões de dólares em lucros em apostas de aquisição. Então, depois de admitir o uso de informações privilegiadas, Boesky tornou-se o garoto-propaganda da ganância de Wall Street, com seu rosto alongado e sorriso cheio de dentes na capa da revista Time com a manchete “Ivan, o Terrível”. Ele passou dois anos na prisão.

O caso de Boesky desencadeou ondas de choque não só em Wall Street, mas em todos os EUA, confirmando os piores receios de alguns investidores sobre o funcionamento dos mercados de capitais. Acredita-se que ele tenha sido o modelo para o personagem Gordon Gekko, o vilão voraz interpretado por Michael Douglas no filme Wall Street, de 1987 . O discurso de Gekko no filme, declarando que “a ganância é boa”, ecoou a avaliação do próprio Boesky.

Gordon Gekko, personagem de Michael Douglas no filme “Wall Street” (Reprodução)

“A propósito, tudo bem ser ganancioso”, disse Boesky aos formandos da escola de negócios da Universidade da Califórnia em Berkeley, em 1986, meses antes de sua queda. “Eu quero que você saiba disso. Acho que a ganância é saudável. Você pode ser ganancioso e ainda assim se sentir bem consigo mesmo.”

Continua depois da publicidade

Bares de Michigan

Ivan Frederick Boesky nasceu em 6 de março de 1937, em Detroit, o segundo filho de William e Helen Boesky. Seu pai dirigia uma rede de bares locais, chamada Brass Rail.

Aos 12 anos, Boesky passou a frequentar Cranbrook, uma prestigiada escola particular em Bloomfield Hills, um subúrbio de Detroit, onde se tornou fanático por luta livre e recebeu o prêmio de “lutador do ano”. Apesar do sucesso atlético, ele deixou Cranbrook repentinamente, antes de se formar e se transferir para uma escola pública.

Boesky frequentou as universidades Wayne State, do Michigan e Eastern Michigan. Ele não terminou, mas frequentou a Detroit College of Law, onde se formou só em 1964.

Continua depois da publicidade

Naquela época, Boesky havia se casado com Seema Silberstein, filha do incorporador imobiliário de Detroit, Ben Silberstein, cujas propriedades incluíam o Beverly Hills Hotel. Ele trabalhou para um juiz federal em Detroit, parente de Silberstein, mas não conseguiu emprego em um dos principais escritórios de advocacia da cidade.

Após a morte de seu pai em 1964, Boesky assumiu o último bar Brass Rail restante, que até então apresentava dançarinas de topless, e o renomeou como Le Club a-Go-Go, de acordo com um artigo de 1993 da Vanity Fair. Dois anos depois faliu. Boesky mudou-se para Nova York, onde iniciou uma nova carreira em Wall Street.

Depois de vários anos trabalhando em empresas financeiras, onde aprendeu o negócio de arbitragem de risco, Boesky iniciou seu próprio fundo de investimento em 1975 com US$ 700 mil de seus sogros. 

Continua depois da publicidade

Depois de seis anos apostando em ações de empresas, ele formou um novo fundo, bem a tempo de uma onda de aquisições que mudou o cenário da América corporativa.

Em 1984, Boesky ganhou mais de US$ 100 milhões com a aquisição da Getty Oil pela Texaco e com a compra da Gulf Oil pela Chevron, de acordo com uma reportagem da revista Atlantic de 1984. No ano seguinte, ele ganhou cerca de US$ 50 milhões quando a Philip Morris adquiriu a General Foods.

Ao contrário de outros traders que geralmente evitavam publicidade, Boesky a abraçou. Contratou um assessor para que fosse citado na imprensa, escreveu um livro em 1985 sobre as suas experiências no mercado chamado “Merger Mania” e viajou pelo país para promovê-lo em discursos.

Investigações da SEC

Em meados da década de 1980, o mercado altista em Wall Street, que permitiu que investidores experientes ganhassem milhões, também levou os reguladores a suspeitar que eles estavam manipulados a favor daqueles que tinham informação privilegiada.

Em meados de 1985, a Securities and Exchange Commission (SEC), órgão análogo a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no Brasil, abriu uma investigação sobre negociações suspeitas de dois funcionários da Merrill Lynch, baseados na Venezuela, que os levou a um caminho de trapaças em Wall Street que atraiu Dennis Levine, banqueiro de investimentos da Drexel Burnham Lambert.

Um ano depois, em junho de 1986, pouco depois de ter sido preso por abuso de informação privilegiada, Levine declarou-se culpado e concordou em cooperar com o procurador dos EUA em Manhattan, Rudy Giuliani. Levine disse aos promotores federais que forneceu a Boesky informações não públicas sobre possíveis negócios. Acusado de ganhar cerca de US$ 12 milhões com negócios ilegais, Levine foi posteriormente condenado a dois anos de prisão.

Alguns meses depois, Boesky fechou um acordo com o governo. Ele se declararia culpado de uma acusação criminal de conspiração para apresentar registros comerciais falsos, pagaria US$ 100 milhões em multas e cooperaria com as autoridades federais.

Como parte do acordo, Boesky gravou secretamente as suas conversas com comerciantes para ajudar o governo a construir casos contra outras figuras de Wall Street. O mais notável deles foi Michael Milken, chefe de negociação de junk bonds de alto rendimento da Drexel Burnhan, que ajudou a financiar muitas das aquisições corporativas da época. Milken, que cumpriu quase dois anos de prisão por violar as leis de valores mobiliários, foi perdoado em 2020 pelo então presidente Donald Trump. 

Boesky poderia pegar, no máximo, cinco anos de prisão. Mas, com base na sua cooperação com as autoridades, foi condenado a três anos. Em abril de 1990, após cumprir cerca de dois anos, ele foi libertado.

Numa carta a um juiz federal apoiando a redução da pena, os promotores deram crédito ao trader por ajudá-los a compreender a extensão dos abusos de Wall Street: “O que Boesky deu ao governo é uma janela para a conduta criminosa desenfreada que permeou a indústria de valores mobiliários em década de 1980, numa extensão desconhecida por este escritório antes de Boesky começar a cooperar.”

Ao contrário de Milken, que passou grande parte de sua vida pós-prisão engajado na filantropia, Boesky desapareceu em grande parte da vista do público após sua libertação. Em 1991, Seema Boesky pediu o divórcio, que foi finalizado dois anos depois. O casal teve quatro filhos: William, Marianne, Theodore e John. Posteriormente, ele morou com sua segunda esposa, Ana.

© 2024 Bloomberg L.P.