Conteúdo editorial apoiado por

Investimento de US$ 13 bi da Microsoft na OpenAI não será investigado pela UE

A Comissão Europeia decidiu que a união não merece uma investigação formal porque não chega a ser uma aquisição e que a Microsoft não controla a direção da OpenAI

Bloomberg

Os logotipos da OpenAI e da Microsoft em um smartphone e laptop (David Paul Morris/Bloomberg)

Publicidade

O investimento de US$ 13 bilhões da Microsoft na OpenAI deve evitar uma investigação formal por parte dos órgãos de fiscalização de fusões da União Europeia, acalmando os temores de que o relacionamento entre as empresas possa ser rompido.

A Comissão Europeia decidiu que a união não merece uma investigação formal porque não chega a ser uma aquisição e que a Microsoft não controla a direção da OpenAI, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

O braço antitruste da UE disse em janeiro que estava analisando se o envolvimento da Microsoft com a OpenAI deveria ser examinado depois que um motim contra o criador do ChatGPT expôs laços profundos entre as duas empresas.

Continua depois da publicidade

As ações da Microsoft estavam sendo negociadas com queda de 0,3% às 12h20 em Nova York.

Embora a maioria dos negócios examinados sob o regulamento de fusões da UE sejam mais tarde aprovados pelos órgãos de fiscalização de Bruxelas, as autoridades não temem exercer um veto se quaisquer preocupações de concorrência não puderem ser resolvidas dentro de prazos rigorosos.

A Microsoft se recusou a comentar, além de apontar uma declaração anterior de que sua parceria com a OpenAI “fomentou mais inovação e competição em IA, ao mesmo tempo que preservou a independência para ambas as empresas”.

Continua depois da publicidade

Um porta-voz da comissão disse que, para examinar potenciais preocupações concorrenciais, o órgão de fiscalização “primeiro precisa concluir que houve uma mudança de controle numa base duradoura” entre as duas empresas.

No centro da parceria entre a Microsoft e a OpenAI estão as enormes quantidades de poder computacional necessárias para manter em funcionamento o boom mundial da IA generativa. A execução de sistemas por trás de ferramentas como o ChatGPT e a Bard, do Google, aumentou a demanda por serviços em nuvem e a capacidade de processamento. A OpenAI, por exemplo, tornou-se um importante cliente dos negócios em nuvem da Microsoft.

Por sua vez, todos os três maiores fornecedores de computação em nuvem do mundo – Microsoft, Amazon e Google – tornaram-se investidores ativos em startups de IA nos últimos anos. A empresa de IA Anthropic atraiu um investimento de US$ 4 bilhões da Amazon e um investimento de US$ 2 bilhões do Google, que também firmou uma parceria em 2021 com a empresa de IA Cohere.

Continua depois da publicidade

Por sua vez, a Microsoft também tem procurado ativamente mais parcerias com empresas emergentes de IA, anunciando no início deste ano uma parceria de US$ 16 milhões com a empresa de tecnologia francesa Mistral AI.

Os investimentos de US$ 13 bilhões da Microsoft na OpenAI despertaram o interesse dos reguladores – incluindo, assim como da UE, a Autoridade de Concorrência e Mercados do Reino Unido e a Comissão Federal de Comércio dos EUA – desde que um escândalo envolvendo a empresa de IA sobre a demissão e subsequente recontratação de Sam Altman como chefe do OpenAI no final do ano passado.

O CEO da Microsoft, Satya Nadella, ajudou pessoalmente a negociar e defender seu retorno à empresa – a certa altura, oferecendo-se para contratar o próprio Altman, junto com outros funcionários da OpenAI que queriam sair.

Continua depois da publicidade

O conselho da OpenAI concordou em reintegrar Altman e a empresa, então, nomeou um conselho interino de três pessoas e adicionou a Microsoft como observadora, sem direito a voto.

Esse episódio levou os reguladores a examinar o acordo. O órgão de fiscalização do Reino Unido disse que iria examinar se o equilíbrio de poder entre as duas empresas mudou fundamentalmente para dar a um lado mais controle ou influência sobre o outro, e a Comissão Federal de Comércio dos EUA fez investigações iniciais sobre o acordo.

A UE disse que analisaria os investimentos da Microsoft como parte de um exame mais amplo dos riscos anticompetitivos trazidos pelo envolvimento das Big Tech nas tecnologias de IA da próxima geração.