Conteúdo editorial apoiado por

O jantar em que Trump atacou regras climáticas e pediu US$ 1 bi a grandes petroleiras

"Mesa redonda sobre energia" teria acontecido no dia 11 de abril em clube privado do ex-presidente

Lisa Friedman, Coral Davenport, Jonathan Swan e Maggie Haberman The New York Times

Ex-presidente Donald Trump (Mark Peterson/Pool via REUTERS)

Publicidade


O ex-presidente Donald Trump disse a um grupo de executivos e lobistas do petróleo reunidos em um jantar em seu resort em Mar-a-Lago, na Flórida, no mês passado, que eles deveriam doar US$ 1 bilhão para sua campanha presidencial porque, se eleito, ele reverteria as regras ambientais que, segundo ele, prejudicaram o setor. A informação foi obtida junto a duas pessoas que participaram do evento.


De acordo com as fontes, que pediram anonimato, cerca de 20 pessoas participaram do jantar em 11 de abril, anunciado como uma “mesa redonda sobre energia” no clube privado de Trump. Dentre os participantes estavam executivos da Exxon Mobil Corp., EQT Corp. e do American Petroleum Institute, que faz lobby pela indústria petrolífera.

O evento foi organizado pelo bilionário do petróleo Harold Hamm, que durante anos ajudou a moldar as políticas energéticas dos republicanos. O The Washington Post foi o primeiro a noticiar o encontro.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Continua depois da publicidade



Durante meses, Trump criticou publicamente a agenda energética e ambiental do presidente Joe Biden, enquanto Biden se apressava para restaurar e fortalecer dezenas de regras climáticas e de preservação que Trump enfraqueceu ou eliminou durante seu mandato. Em particular, Trump prometeu reverter as novas regras climáticas de Biden, que visam acelerar a transição do país para veículos elétricos, e defendeu uma agenda de “perfurar, baby, perfurar”, cujo objetivo é abrir mais terras públicas para exploração de petróleo e gás.

Biden classificou as mudanças climáticas como uma ameaça existencial e tomou medidas para reduzir a poluição que está aquecendo perigosamente o planeta, contribuindo para tempestades, ondas de calor e secas mais intensas.


Durante o jantar, Trump reiterou suas promessas públicas de eliminar os controles de poluição implementados por Biden, dizendo aos presentes que deveriam contribuir generosamente para ajudá-lo a derrotar Biden, pois suas políticas beneficiariam suas indústrias.

“Essa é sua proposta para todos”, afirma Michael McKenna, que trabalhou na Casa Branca de Trump, mas não compareceu ao evento na Flórida.


Segundo McKenna, o apelo do ex-presidente à indústria de combustíveis fósseis poderia ser resumido como: “Olha, vocês querem que eu ganhe. Vocês podem até não gostar de mim, mas sua outra opção é mais quatro anos desses caras”, referindo-se ao governo Biden. E acrescentou: “O sentimento uniforme dos caras da comunidade empresarial é ‘Não queremos mais quatro anos de Equipe Biden’”.

Karoline Leavitt, porta-voz da campanha de Trump, não entrou nos detalhes do que o ex-presidente disse no jantar. Em comunicado, ela atacou Biden como sendo controlado “por extremistas ambientais que estão tentando implementar a agenda energética mais radical da história e forçar os americanos a comprar veículos elétricos que não podem pagar”, e que Trump é “apoiado por pessoas que compartilham de sua visão do domínio energético norte-americano para proteger a nossa segurança nacional e reduzir o custo de vida de todos os cidadãos”.

Na quinta-feira, a campanha presidencial de Biden acusou Trump de “vender diretamente famílias trabalhadoras por doações de campanha de barões do petróleo”.

Biden frustrou o setor dos combustíveis fósseis ao prosseguir a agenda climática mais ambiciosa da história do país. Ele assinou uma lei abrangente que injeta US$ 370 bilhões em incentivos à energia limpa e aos veículos elétricos e promulgou um conjunto de regulamentos rigorosos concebidos para reduzir drasticamente as emissões provenientes da queima de petróleo, gás e carvão.

Este ano, o governo Biden interrompeu o processo de licenciamento de novas instalações que exportam gás natural liquefeito, a fim de estudar seu impacto nas alterações climáticas, na economia e na segurança nacional.

Continua depois da publicidade


Mas o setor dos combustíveis fósseis também obteve lucros recordes sob este governo. No ano passado, os Estados Unidos produziram quantidades recordes de petróleo. E mesmo com a suspensão de novas licenças para terminais de exportação de gás, os Estados Unidos são o principal exportador mundial de gás natural e ainda estão a caminho de quase duplicar sua capacidade de exportação até 2027 devido a projetos já autorizados e em construção.


Biden também aprovou vários projetos de petróleo e gás solicitados pelo setor de combustíveis fósseis.

Ele autorizou um enorme desenvolvimento petrolífero de US$ 8 bilhões no Alasca, conhecido como projeto Willow. Ele também concedeu uma licença crucial para o Mountain Valley Pipeline, projeto defendido pelo senador Joe Manchin, D-W.Va., apesar da oposição de especialistas em clima e grupos ambientalistas. No mês passado, sem se intimidar com a oposição dos ativistas climáticos, o governo Biden também aprovou um projeto de exportação de petróleo no Texas, conhecido como Terminal Petrolífero do Porto Marítimo.

Alguns executivos do petróleo e gás afirmaram que prefeririam que algumas das regulamentações de Biden permanecessem em vigor, como uma regra que exige que as empresas detectem e interrompam as fugas de metano dos poços de petróleo e gás. Segundo eles, querem consistência em vez de um padrão interminável de chicotadas regulamentares em que as regras são promulgadas por um governo, revogadas pelo seguinte e restauradas pelo seguinte.

Muitos, porém, atacam as políticas de Biden e o setor faz forte contribuição para a campanha presidencial de Trump.

Embora os participantes houvessem sido informados de que o evento de Trump seria uma mesa redonda sobre energia, os executivos e lobistas que chegaram a Mar-a-Lago encontraram impressões de slides de PowerPoint sobre migrantes na fronteira sul.

Parte da reunião tratou da migração, e Trump declarou que queria divisões separadas de lutadores do Ultimate Fighting Championship: uma para imigrantes que cruzaram a fronteira ilegalmente e outra para “americanos”.


A sala estava repleta predominantemente de executivos de petróleo e gás, dentre os quais Mike Sabel, CEO e fundador da Venture Global LNG; Toby Rice, presidente e CEO da EQT Corp.; Jack Fusco, CEO da Cheniere Energy; e Nick Dell’Osso, presidente da Chesapeake Energy.

Também presentes estavam o governador de Dakota do Norte, Doug Burgum, um ex-candidato presidencial republicano que tem atuado como representante de Trump em questões energéticas; e Hamm, presidente executivo da Continental Resources, que está entre as maiores empresas de perfuração de petróleo e gás em Oklahoma e Dakota do Norte.

Ainda segundo os dois participantes, acompanhado por Susie Wiles, sua principal conselheira política; Taylor Budowich, um ex-assessor; e Meredith O’Rourke, arrecadadora de fundos; Trump pediu aos executivos que detalhassem suas preocupações sobre questões energéticas.

Continua depois da publicidade

NYT: ©.2024 The New York Times Company