Conteúdo editorial apoiado por

Entenda em 6 pontos o escândalo automotivo da Toyota e outras 4 montadoras no Japão

Irregularidades em testes de certificação forçaram montadoras a suspender entregas e reconhecer fraudes; entenda

Equipe InfoMoney

Akio Toyoda faz uma reverência durante uma coletiva de imprensa em Tóquio, em 3 de junho. (Fotógrafo: Toru Hanai/Bloomberg)

Publicidade

A notícia de que ao menos cinco montadoras japonesas teriam burlado testes de certificação de seus veículos vem gerando consequências negativas ao segmento e ganhando novos desdobramentos. Toyota (TMCO34), Honda (HOND34), Suzuki, Mazda e Yamaha estariam entre as gigantes envolvidas em irregularidades do tipo, após investigação do Ministério dos Transportes do Japão.

A Toyota e outras montadoras interromperam as remessas de alguns modelos envolvidos em fraudes e viram seus escritórios invadidos por funcionários do governo. Agora, elas precisarão lidar com uma crise reputacional, mas o impacto sobre os consumidores, as ações e suas operações, por enquanto, parece limitado.

Foi a primeira vez que isso aconteceu no Japão?

Não. As últimas investigações surgiram na sequência de uma série de escândalos envolvendo montadoras japonesas como Nissan Motor, Mazda e Suzuki. Os casos remontam a mais de uma década, incluindo falsificação de emissões e dados de economia de combustível. A fabricante de airbags Takata, por exemplo, pediu falência em 2017, após uma das crises de recall mais famosas do mundo.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

No final do ano passado, um escândalo semelhante já havia acendido o alerta das autoridades. O Ministério dos Transportes do Japão solicitou às montadoras, no final de janeiro, que investigassem os pedidos de certificação após descobrir irregularidades em testes de segurança na unidade de carros compactos Daihatsu, da Toyota, no ano passado.

Essa investigação interna mostrou, em dezembro, que a maioria dos veículos da Daihatsu não havia sido devidamente testada quanto à segurança contra colisões. A Toyota suspendeu todas as remessas de motores em janeiro, depois que a investigação revelou que ela havia falsificado números de potência.

Continua depois da publicidade

O que foi revelado nas investigações mais recentes?

Na segunda-feira (3), veio à tona a informação de que não apenas a Toyota, mas outras quatro grandes montadoras do país asiático, teriam manipulado os resultados dos testes de certificação em alguns de seus modelos.

As descobertas seguem à ordem anterior do governo para que quase 90 fabricantes reexaminassem seus procedimentos de teste depois que décadas de fraude foram descobertas em duas afiliadas da Toyota no ano passado. 

Quais as medidas imediatas tomadas pelo Japão?

O governo japonês ordenou que a Toyota, a Mazda e a Yamaha suspendessem as remessas de alguns veículos. As autoridades entraram na sede da Toyota em Nagoya, na manhã desta terça-feira (4), de acordo com o Ministério dos Transportes. As autoridades disseram que também fizeram inspeções no local da Mazda Motor, Yamaha e Suzuki.

Continua depois da publicidade

É provável que os acontecimentos desta semana também aumentem o foco na assembleia geral anual da Toyota no final deste mês. As influentes empresas de consultoria Institutional Shareholder Services e Glass Lewis recomendaram que os acionistas votem contra a reeleição de Akio Toyoda como presidente da empresa.

Em um relatório aos acionistas, a ISS destacou a “série de irregularidades de certificação” no Grupo Toyota.

Veículo na linha de produção de uma fábrica da Daihatsu Motor Co. no Japão. (Fotógrafo: Akio Kon/Bloomberg)

Os escândalos nas montadoras estão provando ser um ponto sensível para o governo, que, de outra forma, recebeu elogios de investidores e executivos por suas medidas junto às empresas. Yoshimasa Hayashi, o principal porta-voz do governo japonês, chamou a má conduta de “lamentável”.

Continua depois da publicidade

O que diz a Toyota sobre as irregularidades?

A Toyota disse que o erro ocorreu durante seis testes diferentes em 2014, 2015 e 2020. Os veículos afetados foram três modelos de produção – o Corolla Fielder, o Corolla Axio e o Yaris Cross – e versões descontinuadas de quatro modelos populares, incluindo um vendido sob a marca de luxo Lexus.

Em um exemplo, a empresa mediu os danos causados por colisão em um lado do capô de um modelo, embora fosse necessário fazê-lo em ambos os lados. Em outros casos, disse que realizou testes de desenvolvimento sob condições mais rigorosas do que as estabelecidas pelo ministério, que não atendiam às exigências.

A Toyota disse que ainda está investigando questões relacionadas à eficiência de combustível e às emissões de poluentes dos veículos e que pretende concluir essa investigação até o final de junho. A montadora acrescentou que não houve problemas de desempenho que violassem os regulamentos e que os clientes não precisavam parar de usar seus carros.

“Como responsável pelo Grupo Toyota, gostaria de pedir sinceras desculpas aos nossos clientes, aos fãs de carros e a todas as partes interessadas pelo ocorrido”, disse Toyoda, neto do fundador da montadora e seu ex-diretor executivo, em uma coletiva de imprensa.

Toyoda disse que os carros não passaram pelo processo correto de certificação antes de serem vendidos. A maior montadora do mundo em volume disse que suspendeu temporariamente os embarques e as vendas de três modelos de carros fabricados no Japão.

O que dizem as outras montadoras japonesas envolvidas?

A Mazda suspendeu as entregas do esportivo Roadster RF e do hatchback Mazda2 desde quinta-feira da semana passada, depois de descobrir que funcionários haviam modificado os resultados dos testes do software de controle do motor, disse a empresa.

A montadora também descobriu que os testes de colisão dos modelos Atenza e Axela, que não estão mais em produção, foram adulterados com o uso de um cronômetro para acionar os airbags durante alguns testes de colisão frontal, em vez de confiar em um sensor de bordo para detectar uma batida.

Foram identificadas irregularidades em mais de 150 mil unidades que a montadora produziu desde 2014 para o mercado japonês. “Suportaremos os custos incorridos aos fornecedores devido às interrupções nas remessas”, disse o CEO da Mazda, Masahiro Moro, acrescentando que a empresa fará esforços para evitar que os lapsos se repitam. 

A paralisação provavelmente afetará 3.500 pedidos e a montadora não está considerando recalls neste momento. Moro atribuiu os problemas de dados às interpretações errôneas dos funcionários sobre manuais de procedimentos pouco claros, e não a um “encobrimento organizacional” ou “falsificação maliciosa”.

Já a Yamaha informou que suspendeu as entregas de uma motocicleta esportiva. A Honda, por sua vez, disse ter encontrado irregularidades em testes de ruído e saída durante um período de mais de oito anos até outubro de 2017 em cerca de duas dúzias de modelos que não estão mais sendo produzidos.

Quais os efeitos para as montadoras?

O desenvolvimento de veículos é mais complexo agora e as montadoras estão tentando evitar o aumento de pessoal, o que poderia forçá-las a se desviar dos processos tradicionais e causar irregularidades, de acordo com o analista automotivo sênior da Bloomberg Intelligence, Tatsuo Yoshida. Ainda assim, acrescentou ele, estas questões são diferentes do escândalo com a Daihatsu e o seu impacto na economia será limitado.

O escândalo emergente é “extremamente lamentável”, disse Ken Saito, ministro da Economia, Comércio e Indústria, durante uma conferência de imprensa em Tóquio, acrescentando que a agência está a investigar o impacto sobre os fornecedores e responderá adequadamente.

Por ora, o impacto sobre os papéis das montadoras envolvidas parece limitado.

As ações da Honda Motor caíram 2,4%, enquanto Toyota recuou 1,1% na manhã desta terça-feira, na bolsa de Tóquio.

*Com informações da Bloomberg