Conteúdo editorial apoiado por

Dona da Neoenergia cancela aquisição de US$ 4,3 bilhões nos EUA

Fim do acordo com a PMN representa uma ruptura importante nas ambições da espanhola Iberdrola de expandir as suas operações nos Estados Unidos

Bloomberg

Publicidade

A unidade norte-americana da Iberdrola, empresa dona da Neoenergia no Brasil, rescindiu um acordo de US$ 4,3 bilhões para comprar sua rival nos Estados Unidos PNM Resources, encerrando três anos de disputas legais e regulamentares sobre o negócio.

O acordo de 2020 para sua subsidiária Avangrid comprar a PNM, companhia sediada no Novo México, foi cancelado porque todas as aprovações regulatórias finais não foram recebidas até 31 de dezembro, disse a companhia, em um comunicado na terça-feira (2). A Avangrid acrescentou que ainda não havia um cronograma claro sobre quando uma resolução poderia ocorrer.

O colapso do acordo representa uma ruptura importante nas ambições da Iberdrola de expandir as suas operações nos EUA. Ainda assim, a administração da empresa espanhola disse repetidamente que estaria aberta a procurar outras opções caso não conseguisse adquirir a PNM.

Em dezembro de 2021, os reguladores do Novo México bloquearam a decisão da Avangrid de comprar PNM, dizendo que não era do interesse dos consumidores do estado. Os comissários citaram o “fraco histórico de serviços” da Avangrid no nordeste dos EUA, bem como questões em torno de uma investigação criminal de executivos da Iberdrola. Essa investigação foi, no entanto, rejeitada em um tribunal de Madrid.

Unidade da Iberdrola localizada em Cortes de Pallas (Angel Garcia/Bloomberg)

A expansão para o Novo México teria oferecido à Avangrid a oportunidade de diversificar a sua base de clientes para estados mais quentes, reduzindo a exposição às elevadas exigências de pico de inverno e às restrições dos oleodutos.

O negócio também fez parte dos planos da Iberdrola para aumentar os investimentos nas operações da rede. Em novembro de 2022, a concessionária afirmou que mais da metade dos seus investimentos totais até 2025 seriam destinados a redes elétricas.

A PNM disse em comunicado separado que, embora seu conselho tenha aprovado uma prorrogação do prazo de 31 de dezembro para garantir a aprovação regulatória, a Avangrid não a aceitou e encerrou a fusão. “Estamos muito decepcionados com a decisão da Avangrid”, disse a presidente do PNM, Pat Vincent-Collawn, no comunicado. 

© 2024 Bloomberg LP

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.