Conteúdo editorial apoiado por

Ajinomoto busca em revendas pilar para alavancar operação de fertilizantes

Vertical de agronegócios de grupo japonês vai enfrentar concorrência de gigantes como Yara no mercado de insumos biológicos

Alexandre Inacio

Publicidade

Em fase final de fechamento do ano fiscal, a gigante japonesa Ajinomoto viu sua operação de fertilizantes no Brasil sentir os efeitos da volatilidade do mercado. A unidade de negócios que cresceu a dois dígitos ao longo da última década, inclusive durante a pandemia, vai encerrar o ciclo de 2023 no zero a zero.

Para a companhia, 2024 começa em abril, mas as estratégias para deixar 2023 definitivamente para trás já começaram. O primeiro passo é ampliar a rede de distribuição, que conta hoje com 250 revendas ativas em todo o país.

Outra medida é ampliar o mix nas varejistas, incluindo um número maior de produtos com valor agregado mais alto e, consequentemente, margens mais atrativas. Hoje, 98% das vendas de fertilizantes da Ajinomoto se dá por meio de revendas agropecuárias.

“Para 2024 está tudo mais claro, com um cenário de estabilidade de preços. O patamar é maior que o pré-pandemia, porém, mais baixo que 2023” disse César Augusto Vilela, chefe da unidade de agronegócios da Ajinomoto ao IM Business.

Cesar Vilela, gerente da unidade de fertilizantes da Ajinomoto no Brasil (Fonto: Divulgação)

O executivo lembra que no primeiro semestre de 2023, o mercado viu os preços dos fertilizantes dispararem, consequência da alta das commodities e dos efeitos da guerra entre Rússia e Ucrânia. Na segunda metade do ano, a tendência se inverteu e as cotações dos insumos tiveram uma retração em seus valores.

Para 2024, a Ajinomoto volta a apostar em um crescimento de dois dígitos. Em 2022, a companhia registrou no Brasil um faturamento de R$ 3,4 bilhões. Segundo Vilela, a vertical de agronegócios representa cerca de 2% da operação nacional.

A Ajinomoto trabalha basicamente com dois tipos de produtos, ambos tendo como base a cana-de-açúcar como insumo principal e com adição dos aminoácidos produzidos pela empresa. O mais básico é aplicado diretamente no solo. Os mais elaborados são fertilizantes foliares, enriquecidos com micro e macro nutrientes.

No Brasil desde 1956, a companhia opera quatro unidades industriais, todas no interior de São Paulo. As fábricas de Laranjal Paulista e Limeira são as responsáveis por produzir os fertilizantes, utilizados, principalmente, pelas culturas de café (35%), frutas (45%) e legumes e verduras (15%).

Mesmo com a estratégia para voltar a crescer definida, a Ajinomoto vai enfrentar forte concorrência. O mercado de fertilizantes organo-minerais tem crescido em ritmo acelerado, atraindo investimentos de gigantes da indústria e também novos entrantes.

Em dezembro, a norueguesa Yara anunciou que vai investir R$ 90 milhões até 2025 em sua unidade de fertilizantes foliares instalada em Sumaré, no interior de São Paulo. Nesta semana, Amaggi, Coopercitrus e Tecnobeef informaram que se uniram para criar uma empresa de fertilizantes organominerais.

A brasileira Agrion inaugurou em novembro sua primeira fábrica de fertilizantes organominerais, depois de investir R$ 30 milhões. Instalada ao lado da usina Aroeira, em Tupaciguara (MG), a usina fornece os insumos residuais do processo industrial (torta de filtro, vinhaça e energia), que passam por adição de minerais.

Newsletter

IM Business Agro

Inscreva-se na newsletter e receba análises exclusivas sobre tudo que movimenta o universo do agronegócio, além de uma curadoria com o que de melhor aconteceu ao longo da semana

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.