Conteúdo editorial apoiado por

A brasileira EVI Technology, de tecnologia para logística, conquista a francesa Michelin

Com escassez de recursos para investimentos em startups, empresa nacional buscou no grupo parceria comercial para crescer

Raquel Balarin

Publicidade

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de julho sobre a Lei dos Caminhoneiros teve um impacto importante no setor de logística: ficou proibida a prática em que, em viagens de longa distância, dois caminhoneiros se revezam – um ao volante e outro descansando na cabine. A parada para o descanso passou a ser obrigatória.

“O controle da jornada passou a ser muito mais complexo, com impacto em custos e prazos das entregas”, diz Maurício Zanella, CEO e cofundador da EVI Technology, que viu na mudança um empurrão a mais para a tecnologia desenvolvida pela empresa para o setor logístico.

A EVI tem uma solução digital de monitoramento de frotas rodoviárias que, além do controle da jornada, otimiza o transporte de longas distâncias, as operações dedicadas (transporte entre centros de distribuição de uma empresa, por exemplo) e a gestão da entrega de “última milha” (com maior potencial de crescimento). Empresas como Suzano, Klabin, Justo (varejo de alimentos), Mercado Livre e Special Dog usam o produto da empresa.

Lançada em 2020, com um investimento inicial de R$ 10 milhões, a EVI avançou no desenvolvimento do produto e chegou a grandes clientes, mas se viu diante de uma encruzilhada este ano: precisava investir em marketing para ampliar a operação, mas com o mercado bem mais fechado para captações de startups, o uso dos recursos com finalidade comercial significaria reduzir a velocidade de desenvolvimento do produto.

A solução foi partir para buscar um parceiro comercial. “Nosso produto funciona com qualquer rastreador, mas sabíamos que os rastreadores da Michelin [Michelin Connected Fleet, ex-Sascar] eram os melhores”, diz Zanella, que fez carreira no mercado financeiro, liderando tesourarias de bancos como o Itaú BBA, participou da abertura de capital da Stone e decidiu empreender, tendo como sócio a família Maggi, controladora do grupo de logística Gafor.

A conversa com a Michelin começou em junho e a parceria para oferecer o produto EVI globalmente foi fechada no fim de outubro. No mês que vem, a força de vendas da Michelin começa a oferecer a solução.

O fechamento de parcerias, segundo João Guilherme Freitas Franco, diretor de marketing da Michelin Connected Fleet, é uma estratégia da empresa, que já trabalha com a T4S, de imobilizador de veículos, e a Streamax, de câmeras. “Parcerias com empresas altamente especializadas podem gerar valor mais rápido para o mercado”, diz João Guilherme.

Com o crescimento do comércio eletrônico e as mudanças na logística de produtos ao consumidor final, o módulo para a gestão de entregas de última milha (“last mile”) foi o que mais chamou a atenção da Michelin. Com um aplicativo em mãos, o entregador registra as entregas em tempo real com fotos, despesas geradas e imprevistos como um atraso.

 “Se há um atraso, o sistema identifica que não vai ser possível fazer todas as entregas e reprograma a logística, redistribuindo a entrega entre outros veículos”, explica Zanella, entusiasmado com a aplicação da tecnologia no mundo do transporte e na movimentação de mercadorias Brasil afora. Nem parece que até pouco tempo o mesmo Zanella se dedicava a discutir custos de captação, operações no mercado futuro e “spreads”.

IM Business

Newsletter

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Preencha o campo corretamente!
E-mail inválido!
Preencha o campo corretamente!
Preencha o campo corretamente!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Tópicos relacionados