Em bradesco

Inadimplência ofusca lucro de R$ 4,12 bi: veja os destaques do resultado do Bradesco

Analistas viram o resultado como neutro, mas o balanço desapontou o mercado, e as ações do banco fecharam na mínima do dia, com perdas de 4,49%, a R$ 21,04

Bradesco 2
(Divulgação)

SÃO PAULO - Nesta quinta-feira (29) teve início a temporada de resultados do terceiro trimestre dos bancos, com os números do Bradesco (BBDC3; BBDC4), que registrou um lucro contábil de R$ 4,12 bilhões no período, alta de 6,3% contra o mesmo trimestre do ano passado, mas queda de 7,9% frente ao segundo trimestre deste ano. O balanço desapontou o mercado, e as ações da companhia fecharam na mínima do dia, com perdas de 4,49%, a R$ 21,04.

O lucro ajustado do banco, sem eventos não recorrentes, registrou alta de 14,8% na comparação anual e foi para R$ 4,533 bilhões, ficando quase estável na comparação com o segundo trimestre. A provisão para devedores duvidosos da companhia mostrou um crescimento de 15,1% na comparação anual, para R$ 3,852 bilhões, enquanto o ROAE (Retorno sobre Patrimônio Líquido) ficou em 21,2% no período, queda de 0,7 ponto percentual ante o trimestre anterior.

Segundo a XP Investimentos, o Bradesco reportou um resultado em linha com as expectativas, ficando no lado positivo a melhora na margem financeira, segmento de seguros e também a receita com serviços.

Por outro lado, a inadimplência gera motivos de preocupação. Em teleconferência, a companhia alterou a perspectiva de aumento moderado (no ritmo de cerca de 0,1% ao trimestre) até meados do ano que vem, quando acredita que poderá se estabilizar, dado um inicio de recuperação econômica.

Outro ponto destacado durante a conferência com jornalistas foi sobre a perspectiva de controle de despesas operacionais. No acumulado do ano, esse número está em alta de 7,8%, ficando acima do guidance da companhia (5% a 7%). Porém, a empresa espera que com o resultado do próximo trimestre, o banco consiga voltar para o planejado.

Sobre a recente aquisição do HSBC, foi abordado que o banco possui índice de eficiência muito pior do que do Bradesco (38% contra um resultado acima de 60% do HSBC) e que o banco espera conseguir levar a eficiência do HSBC para o mesmo patamar do Bradesco em 3 anos.

Entre outros pontos destacados pelo banco estão ainda o aumento da margem financeira, favorecida pela gestão de custos de captação e uma precificação maior, enquanto foi atribuído um bom desempenho na receita de serviços, com alta de 12,3%. O Bradesco ressaltou ainda que 66% do resultado da empresa não está relacionado com o segmento de crédito, indo em linha com o que já estava sendo apresentado.

Para os analistas do BB Investimentos, apesar de um impulso macroeconômico adverso, o Bradesco mostrou a resiliência do seu modelo de negócio e entrega de ROE acima de 20% pelo sexto trimestre consecutivo. "Mantemos nossa visão otimista para as ações do Bradesco, com recomendação de outperform", disseram em relatório.

 

Contato