Otimismo continua impulsionando Bolsa, títulos e câmbio.

Tanto pelas condições internas como pelas externas, os mercados brasileiros de ações, juros e moedas estão melhorando com vigor. O Ibovespa se recupera e o mesmo ocorre com o real. Ainda que a tendência não esteja muito firme, a confiança dos agentes apresentou recuperação substancial. Na esteira dessa melhora, a inflação acomodou-se, ainda que em patamar mais elevado. O IPC-S da FGV veio em 1,47%, o que muda minha projeção do IPCA para baixo: de 1,7% para 1,3%, com a acumulada em doze meses chegando a 8%.
Blog por Pedro Paulo Silveira  

A última semana de março começa com a continuidade do movimento de recuperação dos mercados brasileiros.  A expectativa em torno do ajuste fiscal e a estabilização do quadro político, internamente, e a forte alta da confiança dos mercados internacionais estão turbinando a recuperação do Ibovespa, dos juros e do real. Os destaques de alta no mês estão nos setores que sofreram mais com a desaceleração econômica e que andam na frente em função da melhora das expectativas. Veja os quadro com as maiores altas e baixas do índice Ibovespa:

As empresas ligadas ao setor de geração e distribuição de energia, algumas do setor imobiliário, siderúrgicas, papeleiras, saneamento e algumas financeiras lideraram as altas. Em baixa ficaram empresas que estavam em forte alta e passaram a ter uma realização, Vale e Petrobrás. O Ibovespa, propriamente dito está com alta de 0,52% no mês, com 39 empresas em alta e 29 em baixa. Entre os extremos de máximas e mínimas, há boa dispersão, indicando que a volatilidade ainda é forte.

Hoje estamos assistindo à continuidade do movimento global de recuperação das moedas frentes ao dólar , com o Euro sendo negociado a US$ 1,09 (+0,73%), o Yen a ¥ 119,68 (-0,32%), o Dólar australiano a US$ 0,78 (+0,31%) e o real a R$ 3,18 (-1,17%). A moeda americana está se depreciando em resultado do discurso mais complacente dos dirigentes do FED depois da reunião de quarta feira passada. O mercado vinha valorizando o dólar com a expectativa de alta dos juros nos EUA, mas agora deu uma freada em seu ímpeto, por conta da esperança de que o movimento de alta de juros seja muito suave. Apesar da interrupção da valorização do dólar, ainda é cedo para dizer que o movimento está interrompido.

Em consequência da recuperação das moedas, as commodities também se recuperaram. O petróleo parou sua queda, com o WTI subindo de US$ 42 para os atuais US$ 47, mesmo com notícias claramente baixistas para os preços. Os estoques nos EUA estão subindo rapidamente e a Arábia Saudita anunciou que está operando perto de seu recorde de produção, de dez milhões de barris por dia, aumentando em cerca de 300 mil sua produção diária. Segundo analistas de um grande banco internacional, o excesso de produção no mercado global pode ter subido de 800 mil para 1,3 milhões de barris por dia, dado o atual nível de produção da OPEC, de 30  milhões de barris por dia.

Além do otimismo geral, a inflação deu mostras de acomodação a partir da divulgação da terceira quadrissemana do IPC-S da FGV. A inflação veio em 1,47%, desacelerando um pouco em relação ao mês anterior. Veja o gráfico e a tabela do indicador:

 

 

Após acelerar forte, o índice se estabilizou e houve uma redistribuição entre os itens que mais subiram: os combustíveis e alimentação passaram a desacelerar e a energia elétrica passou a subir com força. Trabalhei com uma alta para o IPCA no mês de até 1,7% por conta da alta da energia elétrica residencial. Para essa estimativa não levava em consideração a desaceleração de outros itens de forma tão intensa. A FGV, por meio do coordenado dos índices de Preços, Prof Paulo Picchetti, também revisou sou índice de 1,7% para 1,4%. Com isso o IPCA deve subir 1,3% em março, acumulando uma inflação em doze meses de 8%. Um cenário bem melhor do que havia traçado algumas semanas atrás, por conta da alta da energias e da manutenção de um regime de chuvas muito ruim no Sudeste Centro-Oeste.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

Economista pela FEA-USP, CNPI, atua no mercado financeiro desde 1983 e hoje exerce funções de análise econômica e de valores mobiliários. pepa2906@gmail.com