Escola de Traders (Parte 2)

Quais as vantagens e desvantagens de integrar uma mesa proprietária? Para entender melhor a questão, conheça dois formatos básicos deste modelo de negócios.
Blog por Caio Sasaki  

Em primeiro lugar, gostaria de me desculpar pelo atraso... eu sei, eu havia prometido este artigo para o final da semana passada, mas, coincidentemente, minha rotina mudou de uma hora para outra quando um amigo, gestor de uma mesa proprietária me pediu para ajudá-lo a organizar um programa de formação de traders para sua estrutura. Então passei a última semana imerso na construção de um programa para recrutar, treinar e integrar traders nesta mesa... mas vamos direto ao ponto! Porque raios um trader daria uma fatia de seus lucros para uma empresa?

Há alguns artigos atrás (naquele sobre Trading Plan) eu fiz uma comparação do trader com o empreendedor, afirmando que, em suas essenciais, são a mesma coisa – precisam se reinventar para se adaptar ao mercado, constroem seus próprios resultados e dependem de um bom planejamento para seu sucesso, entre outras características. Mantendo ainda as comparações, um trader dentro de uma mesa proprietária é como um empreendedor dentro de uma franquia. Então, para ficar ainda mais claro, vamos começar pelo exemplo do empreendedor.

Um empreendedor que abre uma franquia possui a vantagem de já contar com uma estrutura, uma metodologia de trabalho e um nome estabelecido no mercado. A matriz fornece boa parte das orientações e já conta com um modelo de negócios comprovadamente rentável, além de provavelmente obter insumos por preços mais em conta devido a suas compras de alto volume. Contudo, o franquiado precisa respeitar normas e não possui total liberdade para conduzir seus negócios como bem entende. Além disso, é comum pagar parte de seu faturamento ao franquiador. Analogamente, um trader dentro de uma mesa proprietária recebe uma estrutura de risco robusta, capital a vontade (ou quase a vontade, porque, afinal, não existe dinheiro infinito), treinamento, custos de operação reduzidos, acesso a plataformas de ponta por preços mais em conta, network com outros traders e uma metodologia (um modelo replicável e escalável, que é a alma deste negócio). Por outro lado, é comum que o indivíduo tenha metas a serem batidas e precise repassar uma parte de seus lucros para a empresa que o abriga.

No fim das contas existem bons motivos para integrar esta estrutura, mas também há boas razões para seguir voo solo e a escolha depende das possibilidades e objetivos de cada trader. Além disso, é importante ressaltar que este é apenas um dos muitos modelos de negócio para mesas proprietárias – e um dos mais difíceis de se executar (por exigir, necessariamente, um conjunto de táticas replicáveis e escaláveis), mas também um dos mais procurados por traders que querem integrar esta estrutura. E este é o modelo em que gastei algumas boas horas para estruturar, na semana passada, fazendo uso de Tape Reading... e, consequentemente, a justificativa de ter atrasado este artigo. Outro modelo de mesa proprietária consiste em organizar torneios e conceder todos os benefícios desta estrutura aos traders vencedores. Neste caso é preciso organizar muito bem estes eventos, pois se forem muito curtos, por exemplo, não é possível distinguir com eficiência os talentosos dos aventureiros sortudos. Além disso, para um trader iniciante e inexperiente, este modelo tem pouca atratividade por agregar baixo valor educacional.

Independentemente do formato, estas empresas proliferaram mundo a fora e ainda hoje formam traders em instalações localizadas na Ásia, Oceania, Europa e Américas. Os modelos variam de acordo com os mercados em que atuam, mas todas possuem um objetivo em comum: rentabilizar seu capital através de operações de risco variável em bolsas de valores.

Vou ficando por aqui. Espero que tenha gostado da segunda parte do artigo e agente se vê daqui uns dias.

Um grande abraço e ótimos trades!

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É trader, formado em Física pela USP e chegou a fazer mais de 300 operações por dia na Nasdaq e na Bolsa de Nova York. Foi estrategista em instituições como Citibank, Interfloat e XP Investimentos e hoje dedica parte de seu tempo para formar traders independentes. contato@sasakitraders.com.br