Trading Plan: O que o trader e o empreendedor brasileiro têm em comum?

Ambos, na maioria das vezes, quebram antes de completar 2 anos de atividade. Sabe por que?
Blog por Caio Sasaki  

Nos últimos artigos comentei bastante sobre tática específica – Tape Reading – que é fantástica, mas está longe de ser a solução definitiva para quem busca se consolidar como um investidor eficiente. Sinto dizer, mas tape readers também fracassam, e na maioria das vezes pelo mesmo motivo que outros traders... vamos direto ao ponto: a maioria dos traders – e empreendedores também – brasileiros fracassam porque são ansiosos para entrar em ação e acabam negligenciando um planejamento bem feito. A  maioria chega a adquirir o conhecimento necessário, mas não leva em conta a importância de planejar isto num papel (ou numa planilha) antes de botar a mão na massa. Por isso vou dar um exemplo rápido, simples e genérico de como um trader iniciante deve estabelecer metas e desenhar sua trajetória através de fases. Por exemplo: Introdução, Adaptação e Consolidação.

Introdução – Nesta fase a prioridade é fazer o máximo de operações possíveis, operando com um lote mínimo. Por exemplo: fazer 30 trades por dia com 1 mini lote de Ibovespa Futuro, admitindo uma perda máxima diária de R$20,00 (já incluindo custos). Você deve estar pensando que é impossível fazer dinheiro deste jeito... e é mesmo! O objetivo desta fase não é ganhar dinheiro, mas acelerar o processo de aprendizado básico que inclui familiaridade com a plataforma de operação e o mercado em que está agindo, noção de gestão de risco e lidar com algumas pressões emocionais (não pela perda financeira, mas pela meta em si que não é das mais fáceis). Com estes requisitos básicos o trader pode partir para o próximo passo.

Adaptação – Agora que o trader já tem uma noção mínima, ele pode aumentar o lote (só um pouco) e diminuir a meta de operações por dia para buscar resultado financeiro, ainda baixo, por exemplo: fazer 15 operações por dia com 5 mini lotes de Ibovespa Futuro, admitindo uma perda máxima de R$100,00 (já incluindo custos) e adotando uma meta de R$100,00. O número de operações diárias diminui, mas ainda deve permanecer alta para gerar “overtrade” (perda de eficiência por excesso de operação), pois isto evidencia questões comportamentais e emocionais a serem tratadas. Lidando com estes pontos de tensão, forjados, o trader se prepara para situações futuras reais, e que envolverão mais dinheiro. Além disso, é nesta fase que o investidor aumenta seu repertório de táticas e técnicas.

Consolidação – Neste ponto o trader já está “calejado” pelo mercado e tem melhor noção de seu limite, ritmo de ganhos e perdas, além de um conjunto de técnicas para se adaptar às variações de comportamento do mercado. O tamanho e frequência das operações, assim como a meta diária, já atingiram um ponto de equilíbrio de tal forma que variam organicamente com mercado em que atua. Agora ele já pode pensar e retirar uma remuneração de seus ganhos e reservar outra parcela para outros tipos de aportes.

É claro que eu esbocei estas fases de evolução de forma muito mais resumida do que quando abordo no meu coaching – o desenvolvimento descrito no Trading Plan é detalhado, objetivo e com muitas orientações técnicas adicionais – mas o ponto em que quero chegar é que a maioria das pessoas começam a operar lotes expressivos antes mesmo de se preocupar em aprender a ganhar (ou mesmo perder) dinheiro. Todo mundo quer começar pela fase de consolidação, mas sem amargar as duras lições das etapas anteriores. Por isso não é estranho notar que muitos começam pequeno, mas seguem operando cada vez mais e maiores a medida que perdem – um baita contrassenso, pois se há perdas contantes com lote mínimo, é muito provável que haja com lotes maiores também. E é assim que a maioria quebra, ou desiste antes de quebrar. Seria cômico se não fosse triste.

Por isso a “escola” onde aprendi possuía um trading plan objetivo e bem definido e é sobre esta história e metodologia que falarei no próximo artigo. Então, nos vemos no início da próxima semana!

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É trader, formado em Física pela USP e chegou a fazer mais de 300 operações por dia na Nasdaq e na Bolsa de Nova York. Foi estrategista em instituições como Citibank, Interfloat e XP Investimentos e hoje dedica parte de seu tempo para formar traders independentes. contato@sasakitraders.com.br