Questão de bom senso

O bom senso não tem medida. É subjetivo. Contudo, quem possuir esta ferramente certamente tem maiores chances de sucesso!
Blog por Caio Sasaki  

Quem me conhece sabe que eu não gosto muito de comentar minhas proezas na bolsa de valores. Todo mundo tem uma boa história para contar – uma venda na máxima, uma compra na mínima ou um ganho rápido e expressivo. É bom e faz bem para o ego, mas acredito, sinceramente, que meus tombos me ensinaram muito mais do que as minhas proezas. Contudo, nesta quinta-feira, dia 21, ocorreu o Simpósio Anual de Política Econômica, o principal evento econômico dos Estados Unidos, em Jackson Hole, que me fez lembrar de uma façanha que merece ser mencionada pela lição que traz: poucos métodos de análise podem ser tão eficientes quanto o bom senso.

Há um ano eu integrava a equipe de análise da XP Investimentos e era responsável por estratégias em contratos futuros, entre eles o Dólar. Naquela semana eu havia emitido um relatório recomendando venda na moeda, após uma análise que me tomou poucos minutos. Explico. Na época a moeda vinha fortemente pressionada para cima, flertando com os R$2,50, após diversas declarações de que o governo americano deveria reduzir os estímulos econômicos introduzidos em função da crise de 2008. Contudo, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, teve que cancelar sua ida ao evento em Jackson Hole após uma reunião com a Presidente Dilma e o Ministro Guido Mantega, no dia anterior, que visava discutir questões referentes ao câmbio. Com estas evidências me pareceu ser sensato recomendar uma venda no dólar, pois ninguém cancela um evento desta magnitude, em cima da hora, por motivo nenhum. E de fato foi um tiro certeiro, pois neste dia a moeda marcou a máxima de 2013.

Embora eu faça uso do fluxo de negócios dos principais agentes do mercado, utilize análise técnica, estude o cenário macroeconômico, esta decisão foi tomada com base em bom senso, ou seja, uma técnica que não se aprende em cursos ou livros. E porque dou tanta importância para o tal bom senso, se esta é uma medida absolutamente subjetiva? Porque ele tem a capacidade de gerar resultados brilhantes nos cenários mais complexos e não pode ficar de fora do arsenal de um trader. Afinal, não só de cruzamento de médias vive um investidor.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É trader, formado em Física pela USP e chegou a fazer mais de 300 operações por dia na Nasdaq e na Bolsa de Nova York. Foi estrategista em instituições como Citibank, Interfloat e XP Investimentos e hoje dedica parte de seu tempo para formar traders independentes. contato@sasakitraders.com.br