Estratégias para traders: análise Técnica ou Fundamentalista?

Qual estilo de análise um trader deve seguir? Técnica ou fundamentalista?
Blog por Caio Sasaki  

Para quem já tem algum tempo de mercado (e nem precisa ser muito!), não precisa gastar muita energia divagando sobre um assunto tão batido. Não há melhor ferramenta de análise do que o bom senso, independentemente do estilo do investidor - curto, médio ou longo prazo; conservador ou arrojado; com posições pequenas ou milionárias. E no caso do trader, especificamente, arrisco dizer que tudo que ele necessita é de uma boa desculpa para entrar na operação, seja esta de origem gráfica, fundamentalista, de fluxo, estatística, esotérica ou mesmo o palpite de um terceiro. No fim das contas, o que vai salvar as empreitadas mal sucedidas (e é este o ponto de maior preocupação), será uma gestão de risco executada de forma rigorosa e autocontrole emocional apurado.

A maior prova disto é que temos exemplos de pessoas tirando dinheiro deste mercado com as mais variadas técnicas de análise, mas mantendo em comum uma elevada preocupação com relação ao controle de perdas e fatores psicológicos. E nem preciso mencionar que neste mercado informação é dinheiro, portanto desprezar determinado estilo de análise e adotar exclusivamente outro, como se fosse um time de futebol, significa abrir mão de oportunidades.

Mas para ir um pouco além e apresentar algo a mais do que propõe o título deste artigo, é importante ressaltar que tanto a análise técnica quanto fundamentalistas possuem subdivisões com tópicos para longas discussões em cada uma destas categorias. E ainda existem estratégias baseadas em técnicas que não remetem a nenhuma destas escolas, que é o caso da análise de fluxo de negócios, por exemplo. Este tipo de leitura consiste em observar tanto as ofertas quanto ordens já executadas para identificar as forças compradoras e vendedoras no mercado. Assim, por exemplo, é possível tomar decisões de longo prazo através do posicionamento dos principais agentes do mercado, mas também dá focar no day trade através da observação do book de ofertas e dos negócios executados (conhecido como tape Reading na terra do tio Sam). Infelizmente material sobre este assunto ainda é bem escasso no Brasil, mas uma série de traders (inclusive eu) faz uso intenso, às vezes exclusivo, desta técnica extremamente assertiva para tomar suas decisões.

Além disso, ainda existem alguns tipos de “produtos” que não se encaixam em nenhuma das duas opções de análise. Por exemplo, o mercado de câmbio não publica balanços trimestrais como uma empresa, então não faz sentido uma análise fundamentalista, mas, por outro lado, somente uma análise técnica não daria profundidade suficiente para traçar um cenário completo. É preciso uma análise macroeconômica. Situação semelhante acontece com o mercado de commodities agrícolas e metálicas, em que não se pode aplicar um valuation como numa empresa.

O próprio órgão que credencia os analistas de mercados de capitais no Brasil (APIMEC), certifica analistas técnicos e fundamentalistas, mas ainda não possui certificação específica para mercados que não se enquadram necessariamente nestes dois tipos. Por isto, reforço o argumento do início do texto: não há melhor ferramenta de análise do que o bom senso.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É trader, formado em Física pela USP e chegou a fazer mais de 300 operações por dia na Nasdaq e na Bolsa de Nova York. Foi estrategista em instituições como Citibank, Interfloat e XP Investimentos e hoje dedica parte de seu tempo para formar traders independentes. contato@sasakitraders.com.br