5 comportamentos que um investidor de bolsa deve controlar

Toda pessoa possui um conjunto de características que, combinadas, definem seu comportamento de forma única, como se fosse um DNA. Contudo, nos investimentos, alguns comportamentos devem ser moldados para garantir saúde financeira ao investidor.

Todo ser humano nasce, ou talvez seja moldado desde cedo, com um conjunto de características comportamentais que norteiam grande parte de suas atitudes. Contudo, algumas destas características, se não forem mantidas sob controle, podem provocar sérios danos à vida do sujeito que não costuma conter seus atos. Naturais ou moldados, estes comportamentos podem ter um impacto extremamente nocivo no bolso do investidor, por isso é importante prestar atenção a alguns deles.

Ansiedade: entrar ou sair precipitadamente de uma operação pode afetar ganhos ou mesmo gerar prejuízos. Além disso, a pressa em obter resultados pode forçar o investidor iniciante a pular etapas essenciais para seu futuro sucesso, pois algumas habilidades empregadas no processo de investimentos em bolsa requerem tempo para serem absorvidas, compreendidas e executadas.

Vingança: este sentimento, muitas vezes, faz com que as pessoas percam totalmente seu lado racional. Em casos extremos o indivíduo se dedica a busca de um objetivo que já deixou de ser tangível há muito tempo em prol de uma obsessão sem fundamentos. Um exemplo disso é o investidor que perde dinheiro no mercado e pensa em "tomar" suas perdas de volta, como se o mercado fosse alguém mal intencionado que roubou seus bens. Algumas vezes isto resulta em perdas cada vez maiores, criando um efeito bola de neve que aumenta tanto o sentimento de vingança quanto as perdas financeiras.

Impulsividade: Agir sem pensar é algo que todos fazem o tempo inteiro. As pessoas atravessam a rua, dirigem um carro por longas distâncias e escovam os dentes de forma automática. Contudo, algumas atitudes impensadas, especialmente quando guiadas por um sentimento de desespero, podem levar um indivíduo a cometer atos prejudiciais para si e para outras pessoas. Portanto, o investidor que ignora suas próprias estratégias para dar lugar às atitudes causadas por picos emocionais, corre sério risco de assumir perdas que poderiam ser facilmente evitadas.

Teimosia: é normal uma pessoa cometer um mesmo erro mais de uma vez, por mais que isto aponte contra o senso comum. Contudo, insistir no erro de forma consciente está longe de ser normal e certamente, cedo ou tarde, irá prejudicar quem toma esta atitude. O investidor precisa ser perseverante, o que, deferente da teimosia, leva em consideração ligeiras alterações para corrigir falhas ao longo do processo.

Orgulho: nem todo mundo lida bem com erros e algumas pessoas chegam a defender pontos de vista sem sentido somente para negar suas próprias falhas. Sustentar um ponto de vista equivocado em operações na bolsa de valores pode custar caro, portanto, dar o braço a torcer de vez em quando pode ajudar a preservar o bolso.

Estes são apenas alguns dos aspectos comportamentais que norteiam as atitudes de um investidor de bolsa, e mantê-los sob controle é o que diferencia os ganhadores no longo prazo. As soluções podem variar desde automatizações de processos, exercícios para autocontrole, até delegar operações para profissionais especializados. Além disso, as falhas de comportamento nem sempre são facilmente percebidas num primeiro momento, ou durante a operação. Por isso, antes de tratar estes pontos fracos, é necessário detectá-los, o que também requer técnica.

E você? Já parou para pensar se é um investidor com bom autocontrole?

Fica a lição de casa.

Blog por Caio Sasaki  

Todo ser humano nasce, ou talvez seja moldado desde cedo, com um conjunto de características comportamentais que norteiam grande parte de suas atitudes. Contudo, algumas destas características, se não forem mantidas sob controle, podem provocar sérios danos à vida do sujeito que não costuma conter seus atos. Naturais ou moldados, estes comportamentos podem ter um impacto extremamente nocivo no bolso do investidor, por isso é importante prestar atenção a alguns deles.

Ansiedade: entrar ou sair precipitadamente de uma operação pode afetar ganhos ou mesmo gerar prejuízos. Além disso, a pressa em obter resultados pode forçar o investidor iniciante a pular etapas essenciais para seu futuro sucesso, pois algumas habilidades empregadas no processo de investimentos em bolsa requerem tempo para serem absorvidas, compreendidas e executadas.

Vingança: este sentimento, muitas vezes, faz com que as pessoas percam totalmente seu lado racional. Em casos extremos o indivíduo se dedica a busca de um objetivo que já deixou de ser tangível há muito tempo em prol de uma obsessão sem fundamentos. Um exemplo disso é o investidor que perde dinheiro no mercado e pensa em “tomar” suas perdas de volta, como se o mercado fosse alguém mal intencionado que roubou seus bens. Algumas vezes isto resulta em perdas cada vez maiores, criando um efeito bola de neve que aumenta tanto o sentimento de vingança quanto as perdas financeiras.

Impulsividade: Agir sem pensar é algo que todos fazem o tempo inteiro. As pessoas atravessam a rua, dirigem um carro por longas distâncias e escovam os dentes de forma automática. Contudo, algumas atitudes impensadas, especialmente quando guiadas por um sentimento de desespero, podem levar um indivíduo a cometer atos prejudiciais para si e para outras pessoas. Portanto, o investidor que ignora suas próprias estratégias para dar lugar às atitudes causadas por picos emocionais, corre sério risco de assumir perdas que poderiam ser facilmente evitadas.

Teimosia: é normal uma pessoa cometer um mesmo erro mais de uma vez, por mais que isto aponte contra o senso comum. Contudo, insistir no erro de forma consciente está longe de ser normal e certamente, cedo ou tarde, irá prejudicar quem toma esta atitude. O investidor precisa ser perseverante, o que, deferente da teimosia, leva em consideração ligeiras alterações para corrigir falhas ao longo do processo.

Orgulho: nem todo mundo lida bem com erros e algumas pessoas chegam a defender pontos de vista sem sentido somente para negar suas próprias falhas. Sustentar um ponto de vista equivocado em operações na bolsa de valores pode custar caro, portanto, dar o braço a torcer de vez em quando pode ajudar a preservar o bolso.

Estes são apenas alguns dos aspectos comportamentais que norteiam as atitudes de um investidor de bolsa, e mantê-los sob controle é o que diferencia os ganhadores no longo prazo. As soluções podem variar desde automatizações de processos, exercícios para autocontrole, até delegar operações para profissionais especializados. Além disso, as falhas de comportamento nem sempre são facilmente percebidas num primeiro momento, ou durante a operação. Por isso, antes de tratar estes pontos fracos, é necessário detectá-los, o que também requer técnica.

E você? Já parou para pensar se é um investidor com bom autocontrole?

Fica a lição de casa.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É trader, formado em Física pela USP e chegou a fazer mais de 300 operações por dia na Nasdaq e na Bolsa de Nova York. Foi estrategista em instituições como Citibank, Interfloat e XP Investimentos e hoje dedica parte de seu tempo para formar traders independentes. contato@sasakitraders.com.br