João Braga e a ação que te dá "uma chance por década" de comprá-la barata - e a hora é agora

Gestor de renda variável da XPGestão, Braga esteve no InfoMoneyTV nesta segunda-feira (18) para falar sobre a ação que hoje tem a maior participação nos seus fundos
Blog por Lara Rizério  

SÃO PAULO - Em entrevista realizada nesta segunda-feira (18), na InfoMoneyTV, o gestor de renda variável da XPGestão, João Luiz Braga, explicou em um papo de cerca de 40 minutos porque segue tão otimista com a bolsa brasileira e aproveitou para falar da ação que hoje é a maior participação no fundo que ele gere: trata-se da Lojas Americanas (LAME4).

Com ganhos de 18% em 2017, a ação ainda não brilhou no Ibovespa se compararmos com o desempenho de diversas companhias do mesmo setor. Porém, essa performance longe de "encher os olhos" pode representar a oportunidade da década, segundo palavras usadas pelo próprio Braga. "Brinco que a Lojas Americanas dá uma chance por década de comprá-la barata", afirma ele. A última vez que isso aconteceu, segundo o gestor, foi em 2008-2009; nesta década, a a oportunidade é agora.

Além da melhora de consumo, a companhia se beneficia mais do que os seus pares em um ambiente de queda de juros, uma vez que ela é uma companhia bastante alavancada. Além disso, uma grande "dor de cabeça" para a empresa, a B2W (BTOW3) - controlada que possui as marcas Americanas.com, Submarino, Shoptime e Sou Barato -, mostra sinais de inflexão e de menor queima de caixa, apontando que o pior ficou para trás. 

Para coroar a análise, ele cita que um fundo estrangeiro que vendeu diversas ações preferenciais da Lojas Americanas, o que acabou deixando-a barata em relação aos seus pares. "Assim, há vários motivos para acreditar que ela está subavaliada, sendo esta a maior posição do fundo hoje", aponta o gestor da XPGestão.

Em meados de julho, publicamos neste blog que os ativos LAME4 passaram a entrar no radar dos analistas de mercado (veja mais clicando aqui). Naquela análise, um dos destaques ficou para a fala do Credit Suisse: para o banco suíço, o papel estaria negociando a um "valuation palatável" após vários anos. Desde então, os papéis LAME4 já subiram cerca de 34%. 

Outras preferências de Braga
Além de Lojas Americanas, outras ações do setor de varejo foram destacadas por João Braga, como Carrefour (CRFB3), Localiza (RENT3) e CVC (CVCB3). A queda de juros, aponta ele, também beneficiará papéis de empresas estáveis que pagam altos dividendos. Isso porque os investidores em renda fixa, que se acostumaram a receber grandes retornos com os juros excessivamente altos, vão ter que recorrer à Bolsa se quiserem a manutenção desses retornos. Entre os nomes apontados, estão Copasa (CSMG3), Sanepar (SAPR4) e Transmissão Paulista (TRPL4).

Com especial atenção para os aspectos "micro" das empresas, a Petrobras (PETR3;PETR4) é vista positivamente por conta da surpreendente gestão do CEO (Chief Executive Officer) Pedro Parente, que vem desempenhando muito bem sua função ao gerar caixa, desalavancar e vender ativos. Porém, a posição só não é maior por conta da imprevisibilidade dos preços do petróleo, que impactam (e muito) os papéis da estatal. 

Gostou desta análise? Clique aqui e receba-as direto em seu e-mail!

Deixe seu comentário

Perfil do autor

É editor de Mercados do InfoMoney e analista CNPI-P (analista técnico e fundamentalista, certificado pela Apimec). Trabalha há 6 anos no InfoMoney. Graduou-se em Administração de Empresas pelo Mackenzie, já acompanhou mais de 200 horas de cursos sobre mercados de ações. Possui MBA em Mercado de Capitais pela Fipecafi e MBA de Mercados Financeiros para Jornalistas pela UBS/BM&FBovespa. thiago.salomao@infomoney.com.br