Balanço elogiado e ação em queda? Está aberta uma oportunidade para investidores de longo prazo

Bastante elogiada, Lojas Renner vê ação cair forte após o resultado do segundo trimestre - mas analistas seguem apontando perspectivas positivas para a companhia
Blog por Lara Rizério  

SÃO PAULO - Bastante elogiado. Assim foi o balanço do segundo trimestre de 2017 da Lojas Renner (LREN3), com os analistas apontando um cenário bastante favorável para a companhia, que vem mostrando resiliência mesmo em um cenário bastante desafiador do ponto de vista macroeconômico. 

Afinal, a companhia registrou um lucro líquido 10,7% maior na base de comparação anual, a R$ 193,6 milhões, enquanto a receita líquida ficou em R$ 1,831 bilhão entre abril e junho, uma alta de 11,1% em um ano. Já as  vendas em mesmas lojas subiram 6,4%, acima do ritmo de 2,9% de um ano antes.

De acordo com o Credit Suisse, o número de vendas nas mesmas lojas reflete uma execução bastante sólida da companhia, em um ambiente de inflação em declínio. Além disso, apontam, a Lojas Renner provou que conduz o negócio financeiro de forma conservadora e que deve continuar a se beneficiar da nova política de "Meu Cartão", menor inadimplência e um nível mais alto de recuperações. "De forma geral, o resultado nos pareceu alinhado com a estratégia da empresa e com o grande histórico de execução", apontam os analistas. O Bank of America Merrill Lynch e o BTG Pactual também apontaram uma visão positiva, também com o segmento financeiro como o principal destaque. 

Receba os "Insights do Dia" direto no seu e-mail! Clique aqui e inscreva-se.

Porém, apesar dos bons números, o mercado parece, à primeira vista, não ter gostado do balanço. As ações chegaram a cair 4,27% na mínima do dia e operavam durante a sessão entre uma das maiores baixas do Ibovespa, com queda de cerca de 3%. 

Alguns pontos do balanço foram vistos com ressalva, conforme aponta o Credit Suisse. O Ebitda de varejo subiu apenas 1% na base de comparação anual, em função de maiores despesas de vendas (13%) e maiores provisões para bônus (alta de 114%). Porém, apontam, quando se olha o resultado, fica claro que uma performance excepcional no segmento de crédito ofuscou o de varejo. 

Já o BofA apontou que, embora tenha havia coleções bem-sucedidas e ganhos contínuos de participação de mercado, as vendas foram limitadas pelo mau tempo e por uma queda na confiança do consumidor, à medida que o ruído político se intensificou. Além disso, houve uma baixa da margem bruta de varejo em 55 pontos-base apontando, entre outros fatores, que a atividade promocional no setor continuou a ser elevada. Mas, de um modo geral, o balanço foi positivo. 

O BTG Pactual ressalta ainda para outros fatores para a fraqueza do papel nesta sessão: a ação vem subindo recentemente, já acumulando alta de cerca de 40% no ano. Além disso, o balanço já estava no preço o que leva ao chamado "sobe no boato, cai no fato". Os analistas Fabio Monteiro e Luiz Guanais tem boas perspectivas para o papel, com captura de benefícios, bem como uma aceleração de vendas nas mesmas lojas no segundo semestre, ajudada por uma base mais fraca.

Os analistas do BTG ainda apontam que, caso o papel sofra na esteira dos balanços, essa pode ser uma oportunidade para compra no médio e longo prazos. 

Assim, tanto o BofA, quanto o BTG e o Credit possuem recomendação equivalente à compra para os ativos LREN3, com preços-alvos respectivos de R$ 30,20, R$ 27 e R$ 30,20. 

Segundo o BofA, enquanto as expectativas pareciam muito altas para o resultado, os analistas continuam a ver a companhia entre uma das bem posicionadas do setor de vestuário no Brasil e buscando a consolidação da indústria para caminhar para um longo período de crescimento nas vendas da mesma loja. "Os serviços compartilhados expandidos e outras melhorias na estrutura de custos também posicionam a Renner para registrar uma alavancagem operacional mais forte nos próximos períodos. O melhoramento dos processos de abastecimento e distribuição também devem complementar as vantagens competitivas relativas da Renner, aumentando sua capacidade de identificar e atender às tendências de mercado, ao mesmo tempo em que reduz o risco de execução", apontam os analistas do banco americano. 

O BTG Pactual destaca ainda os benefícios de médio e longo prazo na estratégia push-and-pull (a estratégia push foca nos distribuidores, atacadistas e varejistas, enquanto a pull envolve ações para os consumidores finais), além dos projetos de supply-chain. Todos eles devem, em última análise, garantir um crescimento acima da média nos próximos anos. "Os sinais iniciais para o segundo são melhores em geral, e a base de comparação é mais baixa". 

Por outro lado, o Credit destaca que, apesar do entusiasmo com os cases do setor de consumo, o valuation da Lojas Renner parece considerável, com uma relação de preço sobre o lucro de 24,3 vezes para 2018. Asssim, o prêmio da companhia em relação aos pares deve ser mantido, mas é pouco provável uma expansão significativa nos múltiplos. 

Desta forma, os analistas de mercado seguem bastante otimistas sobre o case de Lojas Renner, mas possuem algum receio sobre o desempenho do papel, ainda mais levando em conta o valuation do papel. Porém, em meio à grande qualidade do ativo, alguns analistas apontam: a queda pode representar uma oportunidade, ainda mais para investidores de médio e longo prazos. 

 Gostou desta análise? Clique aqui e receba-as direto em seu e-mail!

Deixe seu comentário

Perfil do autor

É editor de Mercados do InfoMoney e analista CNPI-P (analista técnico e fundamentalista, certificado pela Apimec). Trabalha há 6 anos no InfoMoney. Graduou-se em Administração de Empresas pelo Mackenzie, já acompanhou mais de 200 horas de cursos sobre mercados de ações. Possui MBA em Mercado de Capitais pela Fipecafi e MBA de Mercados Financeiros para Jornalistas pela UBS/BM&FBovespa. thiago.salomao@infomoney.com.br