Só lamentos? As ações que devem comemorar o "iminente" anúncio do governo de subir impostos

Aumento dos impostos sobre gasolina e diesel devem beneficiar o setor de açúcar e álcool, elevando a competitividade do etanol
Blog por Lara Rizério  

SÃO PAULO - Em uma medida tida como inevitável para conter o rombo fiscal, o governo deve anunciar em breve, junto com o relatório bimestral de receitas e despesas do terceiro bimestre, um novo aumento de impostos. 

A opção preferida da Receita é elevar a tributação sobre combustíveis (mais especificamente, sobre a gasolina e diesel) ou por meio do PIS/Cofins - que tem efeito imediato - ou por meio da Cide (Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico) - que possui prazo de noventa dias para entrar em vigor. 

Apesar do lamento quase geral por conta da nova alta de impostos, há um setor que está comemorando essa medida do governo para cumprir a meta de déficit de R$ 139 bilhões este ano. 

Receba os "Insights do Dia" direto no seu e-mail! Clique aqui e inscreva-se.

Uma conhecida "ganhadora" com o aumento de impostos sobre a gasolina é o setor de açúcar e álcool, conforme destaca o BTG Pactual em nota para clientes, já que aumenta a competitividade do etanol. "Sem dúvida, se confirmado, será muito positivo para o setor, uma vez que traria alívio para a indústria num momento de redução forte dos níveis de preços em açúcar e etanol", apontam os analistas do banco.

Os preços do açúcar bruto em Nova York estão pairando ao redor dos 13 centavos de dólar por libra-peso, 40% menor ante o quarto trimestre de 2016. Este nível é próximo aos custos de produção no centro-sul do Brasil, segundo apontam analistas e usineiros.

Contudo, os analistas do banco apontam não estarem tão preocupados com o açúcar, dada a crença de que os preços vão se recuperar. "Mas, o etanol tem sido, durante algum tempo, a nossa principal preocupação com a queda dos preços de petróleo", afirmam. 

Os analistas fazem uma análise de sensibilidade sobre o setor, com base em duas premissas: i) aumento de R$ 0,10 por litro na Cide e ii) aumento da curva do preço de etanol e também do preço de açúcar (dado que o açúcar se encontra próximo à paridade do etanol e que o etanol é hoje um 'piso' para o preço do açúcar). 

Otimista com o setor de açúcar e álcool, apesar da queda dos preços das commodities recentemente, o BTG vê um impacto positivo no Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) esperado para 2018 de 6,6% para a São Martinho (SMTO3), de 3,9% para a Cosan (CSAN3) e de 8,7% para a Adecoagro (listada na bolsa do México) em meio ao aumento de R$ 0,10 na Cide.

O BTG tem recomendação de compra para essas três ações e, com base em um possível aumento da Cide nesse valor, traçaram novos preço-alvo para os papéis. Os números da Cosan e São Martinho seguem abaixo:

Empresa Ticker Ebitda para 2018 sem Cide (R$ milhões) Ebitda para 2018 com Cide (R$ milhões) Diferença
(em %)
Preço-alvo sem Cide (R$) Preço-alvo com Cide (R$) Diferença 
(em %)
São Martinho SMTO3 1.662 1.772 6,6 20 23 15
Cosan  CSAN3 5.412 5.621 3,9 40 45 12,5

 

No Insight do Dia publicado no início de julho sobre a Cosan, que ganhou espaço nas recomendações de analistas para o mês, o analista da XP Investimentos, Marco Saravalle, já havia sinalizado para o potencial impacto do aumento da Cide, prevendo um impacto positivo para as produtoras de etanol do País (confira mais clicando aqui). 

Por outro lado, o HSBC aponta ser "improvável" que o aumento nos impostos beneficie substancialmente o preço do açúcar. "Se o governo aumentar a Cide em R$ 0,35 por litro, atualmente em R$ 0,22 por litro, preço do açúcar consequente teria paridade com o spot". Contudo, a expectativa, assim como a do BTG Pactual, é de preços mais altos da commodity e de recomendação de compra para a São Martinho, em meio à melhora da dinâmica de oferta e demanda, perspectiva estável do etanol e alta exposição à cana da própria empresa. O preço-alvo para os papéis SMTO3 é de R$ 20,32. 

O aumento do PIS/Cofins reduziria a competitividade da gasolina em relação ao etanol, o que teria um impacto negativo sobre a Petrobras. Contudo, o Credit Suisse ressalta que também está sendo discutida a possibilidade de uma alta do imposto de importação da gasolina, o que poderia ser bom para a Petrobras (PETR3;PETR4) no curto prazo, dando espaço para aumento de preço no mercado doméstico. Ou seja, até mesmo ela poderia ser beneficiad

As últimas notícias apontam que ainda há um impasse sobre o momento do anúncio, conforme afirmou a colunista do G1. Porém, independentemente disso, ele deve sair em breve, enquanto as diretrizes sobre quem sairá ganhando continuam as mesmas. 

 Gostou desta análise? Clique aqui e receba-as direto em seu e-mail!

Deixe seu comentário

Perfil do autor

É editor de Mercados do InfoMoney e analista CNPI-P (analista técnico e fundamentalista, certificado pela Apimec). Trabalha há 6 anos no InfoMoney. Graduou-se em Administração de Empresas pelo Mackenzie, já acompanhou mais de 200 horas de cursos sobre mercados de ações. Possui MBA em Mercado de Capitais pela Fipecafi e MBA de Mercados Financeiros para Jornalistas pela UBS/BM&FBovespa. thiago.salomao@infomoney.com.br