Blog InfoMoney

Além do dinheiro

Em blogs / investimentos / alem-do-dinheiro

Dinheiro de plástico já era!

Abrir uma carteira, tirar um cartão de plástico e introduzir na maquininha, é para mim o mesmo que preencher 3 vias de um formulário carbonado à máquina de escrever

Cortar cartão
(Shutterstock)

Já imaginou ter um iPhone X ou um Samsung S9 na época em que a sua professora do colégio preparava as provas em mimeógrafo?

A primeira impressão é que seria um sucesso absoluto, mas naquela época, não existiam as tecnologias para fazer o seu aparelho celular funcionar, não havia internet, whatsapp, instagram, snapchat, facebook, linkedin, twitter e nem e-mail, portanto, seria uma inutilidade que, em tempos mais remotos, te levaria ao apedrejamento e fogueira por bruxaria.

É assim que eu venho me sentindo ao utilizar o sistema de pagamento por NFC - Near Field Communication, em tradução livre, Comunicação por Campo de Aproximação. Trata-se de uma tecnologia que permite a troca de informações entre dispositivos sem a necessidade de cabos e, por questão de segurança, limitada a uma distância curta, de aproximadamente 10 centímetros.

Com o uso dessa tecnologia é possível fazer o pagamento por meio de celular, relógio, pulseira e etiqueta, dispensando o uso do cartão de crédito ou débito.

Além de ser um brinquedo interessante, evita que o usuário se carregue com carteira e um monte de cartões dentro dela, oferece maior segurança e ainda colabora com o meio-ambiente dispensando a fabricação e descarte do retrógrado dinheiro de plástico.

Acontece que, infelizmente, o Brasil não entendeu ainda que essa mudança vem ocorrendo a mais de um ano e vou contar três situações ridículas que passei em 2018.

A primeira delas foi em um restaurante. A despreparada senhora do caixa me cobrou, peguei a máquina, encostei o celular e de repente, ela a tirou da minha mão, como uma criança que não quer emprestar o seu brinquedo ao amiguinho e disse que ela tinha que fazer o manuseio. Até aí, tudo bem.

Mas ela inseriu o valor e quando encostei o celular, me disse que queria ver o cartão. Pois bem, mostrei a tela do celular. Ainda assim, se recusou a receber com a famosa frase “não que eu esteja desconfiada”. Óbvio que não, é pura ignorância mesmo. Mas era a única forma de eu pagar. Era aquilo ou os pratos lavados.

Ela optou por ficar com o recibinho amarelo que a máquina emite e fez uma marcação super especial para controlar o recebimento daquilo que o recibo diz que ela já recebeu.

A segunda foi no circo. As crianças querendo comer pipoca e tomar refrigerante e na hora de pagar, a mocinha do caixa diz que a máquina dela não recebe por celular. É verdade que tem um monte de comerciante que não habilita as suas máquinas por pura preguiça ou falta de capacidade de enxergar o presente mundo tecnológico, mas daí a nem tentar passar? As crianças ficaram sem, paciência.

No intervalo, não me dei por vencido, fui até o caixa e falei um pouco mais alto e mais duro:

- Qual o problema de eu TENTAR pagar com o celular? Se não der, tudo bem, mas se der, você faz a venda e as crianças ficam felizes. Não custa tentar!

- Vai perder o seu tempo e ainda passar vergonha, me disse a jovem do caixa.

Não preciso nem dizer que a segunda parte do espetáculo circense foi regada a pipoca e guaraná. Os olhos arregalados, os lábios caídos e a mudez da vendedora, mais conhecida como cara de m*, não vem ao caso.

A terceira e última situação foi na Etna. Essa merece ter o nome revelado. Compras feitas e na hora de pagar... a loja não habilita o pagamento por NFC. Caracas, uma Etna! Foi de doer. Doeu tanto que não tive coragem de fazer nada além de deixar o carrinho ali e continuar o meu caminho, como se nada tivesse acontecido.

Se o circo aceita pagamento por NFC, se a tiazinha desconfiada do restaurante do interior, mesmo que a contragosto, recebe, como pode uma Etna não aceitar?

Espero que em 2019 os comerciantes entendam que o NFC é somente uma outra forma de fazer o pagamento e habilitem as suas máquinas.

Abrir uma carteira, tirar um cartão de plástico e introduzir na maquininha, é para mim o mesmo que preencher 3 vias de um formulário carbonado à máquina de escrever, em que uma das vias ficará guardada em um uma pasta suspensa, na gaveta de um arquivo de aço, atrás de um balcão.

Não deixe seu dinheiro parado no tempo: abra uma conta de investimentos na XP - é de graça!

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

 

perfil do autor

Silvia Alambert

Silvia Alambert é fundadora e CEO da The Money Camp® no Brasil. Educadora financeira de crianças e jovens, é certificada e licenciada pela Creative Wealth® Intl (USA) e coordenadora do projeto de educação financeira para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade sócio-econômica pelo ITESA (Instituto de Tecnologia Social Aplicada).

Eli Borochovicius

Professor da The Money Camp® na região metropolitana de Campinas e professor de finanças e gestor de orçamento da PUC-Campinas. Trabalhou por mais de 15 anos em empresas financeiras no Brasil e foi diretor financeiro no exterior. É doutorando e mestre em educação pela PUC-Campinas, possui MBA Executivo Internacional pela FGV, MBA em empreendedorismo pela Babson College/US, pós-graduado em política e estratégia pela USP e formado em Comércio Exterior e Diplomado pela ADESG/SP.

Quer dicas exclusivas?

Preencha os campos abaixo e receba dicas e conteúdos exclusivos do blog Além do dinheiro

Contato