Sobre a reação do mercado

O mercado reagiu com muito menos força dos que os analistas esperavam à reeleição da Dilma. E hoje, já esboça uma recuperação. Será que as estimativas estavam erradas? Ou será que o mercado está dando o benefício da dúvida?
Blog por Livia Mansur  

Tenho lido alguns relatórios que já apontam para um momento de compra para as ações brasileiras. Acho cedo pra isso. É claro que a bolsa brasileira ficou mais atrativa, principalmente em dólar. Mas todos os fatores econômicos que levaram os analistas a precificar uma bolsa a 45 mil pontos em caso de reeleição continuam aí. Sem nenhuma solução clara ainda.

Segundo a economista Zeina Latif, o quadro de 2015 é de pouco crescimento da economia (entre zero e 1%) e baixo dinamismo do consumo das famílias. A sensação térmica de estagnação exigirá muita habilidade política do incumbente. A alta do desemprego parece contratada e as famílias endividadas precisarão desalavancar. Inflação alta é inevitável por um tempo, pois a cada redução da inflação de preços livres, que poderá ocorrer moderadamente, abre-se espaço para realinhar tarifas defasadas. Deve haver alguma retomada de investimento, pela superação da eleição. No entanto, o espaço parece modesto por conta das dúvidas acerca da oferta de energia e água. O risco de rebaixamento e discussões de perda do grau de investimento devem crescer. Talvez as agência de rating não deem o benefício da dúvida ao governo.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É especialista em alocação de recursos de clientes de alta renda e tem 10 anos de experiência no mercado financeiro. blogliviamansur@gmail.com