Quais seriam os impactos da independência da Escócia?

A independência da Escócia do resto do Reino Unido será decidida nesta quinta-feira (18)  em um referendo cujo resultado as últimas pesquisas dão como incerto. Segundo o site www.whatscotlandthinks.org o percentual a favor da independência já está em 49%. Mas quais seriam as possíveis consequências de uma independência da Escócia em vários aspectos da economia?
Blog por Livia Mansur  

A independência da Escócia do resto do Reino Unido será decidida nesta quinta-feira (18)  em um referendo cujo resultado as últimas pesquisas dão como incerto. Segundo o site www.whatscotlandthinks.org o percentual a favor da independência já está em 49%. Mas quais seriam as possíveis consequências de uma independência da Escócia em vários aspectos da economia?

Política

O resultado do referendum pode impactar diretamente as eleições no Reino Unido em maio de 2015. Muito especialistas políticos chegam a afirmar que se a Escócia de fato se tornar independente, David Cameron, primeiro ministro do Reino Unido, perderia as eleições. Consequentemente o nacionalismo cresceria e os “Conservatives” ganhariam mais poder no parlamento.

Outra consequência importante, no caso da vitória do “sim” nas urnas, ainda segundo os especialistas, seria o impacto disso em outras províncias que também querem se tornar independentes, como é o caso da Catalunha em relação à Espanha.

Moedas

Os Escoceses querem continuar usando a Libra, mas os Britânicos não concordam. Discute-se então a manutenção da Libra sem uma união formal dos países até uma definição de uma nova moeda. De fato, o banco escocês teria de aumentar bastante suas reservas na moeda vizinha. Outra possibilidade seria a Escócia adotar o Euro como moeda oficial, o que significaria a entrada do país pra União Europeia.

Economia

A ideia da independência da Escócia sustentada pelos nacionalistas é baseada em suas vastas reservas petrolíferas do mar no Norte. Atualmente, segundo a BBC, as receitas fiscais da exploração petrolífera no Mar do Norte representam 1,5% do PIB britânico, o que chegaria a um patamar de 10-20% da economia escocesa no caso de independência.

Por outro lado, segundo relatório da MFS, o setor financeiro é muito forte na Escócia. Um em cada oito empregos em Edimburgo são ligados à indústria. Algumas instituições já têm planos de contingência que incluem a repatriação de seus funcionários em caso de independência. Outro dado importante é que um quarto da força de trabalho escocesa trabalha em serviços públicos do Reino Unido, levando também uma expatriação desses profissionais.

Mercados

Além da desvalorização da Libra, que já vem ocorrendo no mercado, as consequências de uma possível independência da Escócia são muitas. Alguns efeitos importantes seriam:

- O prêmio de risco exigido pelo mercado para os papéis de dívidas dos 2 países independentes seria maior do que o atual.

- Os setores privados mais impactados, segundos analistas, seriam: finanças, utilities e petróleo.

- O Dólar e os Títulos do Tesouro Americano seriam favorecidos por um fluxo de recursos em busca de maior segurança.

Conclusão

Até o encerramento do referendum, o risco envolvido em ativos oriundo do Reino Unido ainda é muito alto. As dúvidas e incertezas são muito grandes pra se decidir qualquer investimento nesse sentido. Não temos muitos precedentes na história recente, e o mercado financeiro detesta esse tipo de imprevisibilidade. Agora é esperar pra ver.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É especialista em alocação de recursos de clientes de alta renda e tem 10 anos de experiência no mercado financeiro. blogliviamansur@gmail.com