Bull Market in Fear

Alfred Hitchcock disse certa vez: "There is no terror in the bang, only in the anticipation of it." (não é terror no "bang", só na antecipação dele). E isso reflete bem o momento que estamos vivendo.
Blog por Livia Mansur  

Depois do último post, tudo mudou. Demorei pra voltar a escrever porque na verdade não havia nenhuma previsão, apenas chutes e suposições. O cenário politico brasileiro, que vem ditando grande parte do comportamento dos mercados, está ainda mais nebuloso e difícil de prever agora. Mas no meio da conversa com tantos especialistas, reconheço um coro: “haverá muita volatilidade daqui pra frente”. E é justamente sobre esse assunto que vou falar hoje.

Em geral, a volatilidade dos mercados tende a subir em momentos de crise. Até porque a velocidade na queda no preço dos ativos tende a ser maior do que a velocidade na alta. No entanto, em um cenário de “Bull Market in Fear” (mercados em alta com medo) a volatilidade embutida nos preços dos derivativos tende a subir mesmo com o mercado em alta. Mesmo com a volatilidade baixa hoje, a sua expectativa futura pode estar bem alta.

O numero de investidores e até gestores profissionais que têm comprado proteções para suas carteiras aumentou muito nos últimos meses. A lembrança da última crise misturado à esse gigante indefinição da política brasileiras tem impulsionado os investidores nessa direção.

Por outro lado, Christopher R. Cole, sócio fundador da Artemis e famoso trader de volatilidade, escreveu na sua última carta: “Os mercados de hoje estão precificados pela crise de ontem, o conhecido desconhecido, em vez do desconhecido de amanhã.Entender a volatilidade como uma classe de ativos é valorizar a futura expectativa da incerteza, que é tanto uma função da psicologia humana como uma expressão de matemática. Não somente a volatilidade deve ser classificada como classe de ativos, mas provavelmente se tornará a mais importante classe de ativos para investidores profissionais na próxima década. A estratégia crisis alpha, que consiste na aquisição de volatilidade fora do preço, é um poderoso jeito de navegarmos no futuro incerto.” Em sumo, é possível jogar na ponta contrária e ganhar dinheiro com isso.

Ficou confuso? Então vou contar uma pequena história pra ilustrar melhor todo o processo:

Há um rumor de que uma onda de assaltos nunca vista antes tomará conta da região. Todo mundo começa a falar do assunto. Tem embasamento. As pessoas ficam com medo e começam a assegurar suas casas, carros, etc.. O vendedor de seguros, vendo a forte demanda, sobe os preços, mas vende mesmo assim. Se as previsões estiverem certas o vendedor perderá muito dinheiro.

Passado um tempo, a famosa “onda de assaltos” não passou de meia dúzia de pequenos roubos pontuais. As pessoas que fizeram seus seguros perderam dinheiro, mas com certeza dormiram tranquilas o tempo todo. O vendedor dos seguros deve ter perdido o sono por um tempo, mas acabou lucrando um bom dinheiro no final. Vale só lembrar aqui que essa história poderia ter tido um final diferente pro vendedor.

Agora ficou mais claro certo? Mas não se esqueça que esse história tem 2 finais possíveis...

Procure entender mais e bons investimentos!

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É especialista em alocação de recursos de clientes de alta renda e tem 10 anos de experiência no mercado financeiro. blogliviamansur@gmail.com