Think like a freak

Conheça mais sobre o novo livro dos mesmos autores do polemico best seller "Freakonomics" e entenda o que o Rei Salomão e o vocalista do Van Halen têm em comum.
Blog por Livia Mansur  

O economista Steven Levitt, Ph.D. pelo MIT, e o jornalista Stephen J. Dubner, autores do polemico best seller "Freakonomics", lançam hoje seu mais novo livro: Think like a freak. O Wall Street Journal dedicou 2 paginas de sua edição de fim de semana para falar sobre o livro e apelidou a materia de "Traponomics".

A matéria começa perguntando ao leitor o que o Rei Salomão e o vocalista do Van Halen, David Lee Roth, têm em comum, além dos dois serem judeus e terem tido muitas mulheres é claro. Na verdade os dois ficaram conhecidos por utilizar uma especie de armadilha estratégica.

A historia conta que, certa vez, duas mulheres se apresentaram diante do Rei Salamão alegando que eram mães da mesma criança. Como não existia teste de DNA na época, Salomão sugeriu que a criança fosse dividida ao meio, e que cada mulher ficasse com uma metade. Obviamente a mãe verdadeira da criança se pronunciou imediatamente abrindo mão da mesma. Pois qualquer mãe prefere ver seu filho vivo com outra mulher do que morto. E foi assim que Salomão identificou a mãe verdadeira da criança.

Já David Lee Roth foi parar nos jornais como roqueiro louco e excêntrico ao descobrirem que em seu contrato de turnê havia uma solicitação expressa de que em seu camarim deveriam ser servidos M&M de todas as cores MENOS MARROM. Foi então que ele veio a publico explicar o motivo. Ele falou que o contrato tinha 53 paginas e que contia uma série de instruções importantíssimas de segurança. E que pra que ele tivesse certeza de que o promotor local do show tinha se encarregado de ler TODO o contrato, ele colocava essa clausula dos M&Ms. Assim, quando ele entrava no camarim e via M&Ms marrons, ele sabia que o responsável não tinha lido tudo com atenção e cancelava o show. Foi assim que, segundo David, o grupo com mais de 20 anos de carreira, nunca presenciou um acidente em seus shows.

Um exemplo mais recente foi da empresa Zappos, que passou a oferecer US$ 2.000,00 para o candidato que desistisse da vaga depois do processo seletivo e do treinamento. Segundo Tony Hsieh, CEO da companhia, essa é a forma que encontraram de separar os candidatos que estavam verdadeiramente comprados no modelo da empresa e os que só queriam dinheiro. Perguntado se esse dinheiro pago aos candidatos desistentes não seria oneroso para a empresa, Hsieh respondeu que um estudo com 2.500 companhias comprovou que uma contratação ruim poderia fazer a empresa perder mais de US$ 25 mil em perda de produtividade.

Daí o titulo "Traponomics". A ideia é utilizar uma armadilha para expor uma real separação de pessoas a fim de trazer um beneficio economico pra empresa no futuro. Mas como qualquer armadilha, só funciona se não ficar obvio de que se trata de uma.

Boa leitura e bons investimentos!

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É especialista em alocação de recursos de clientes de alta renda e tem 10 anos de experiência no mercado financeiro. blogliviamansur@gmail.com