Os desafios de realocação de um estrangeiro no mercado imobiliário

Procurando auxiliar os investidores do mercado imobiliário resolvi publicar este texto que recebi da Aline Sodré (Gerente de Vendas da Sampa Housing) o qual creio que ilustra bem as características de um mercado extremamente qualificado e que uma imobiliária comum dificilmente conseguiria atender.
Blog por Fabiano Cordaro  

 

   "Os estrangeiros que vem morar no Brasil sempre enfrentam inúmeros impasses: diferenças culturais, clima, adaptação da família dentre muitos outros. A procura por moradia costuma ser um desafio à parte. Além da escolha do bairro  - que é sempre feita com base na localidade da empresa do estrangeiro ou da escola de seus filhos -, há também a necessidade de achar um modelo de moradia semelhante ao que ele ocupava em seu país de origem para minimizar o impacto da mudança e da transferência como um todo.

   São Paulo, apesar do tamanho e diversidade do mercado imobiliário, enfrenta uma escassez de imóveis que atendam aos requisitos deste público estrangeiro. Muitas vezes, é difícil encontrar numa única opção todos os critérios de busca de um estrangeiro e ainda dentro de uma faixa de preço estipulada por suas empresas.  Um dos principais desafios na busca por um imóvel é encontrar apartamentos com mobília, em boas localizações e com mobiliário de qualidade, similar ao que o estrangeiro conhece no exterior.

   No Brasil, por motivos culturais, nunca foi comum a oferta de imóveis dentro desse perfil e as poucas opções disponíveis no mercado, em geral sempre foram de apartamentos com mobília antiga e mal conservada. 

   Os estrangeiros/expatriados muitas vezes não trazem mudança pois além do custo ser altíssimo -  e empresas tem cada vez mais enxugado custos -, muitos de seus eletrodomésticos não funcionam aqui por motivo de voltagens diferentes.  Além disso, em muitos países da Europa e nos Estados Unidos, a maioria dos apartamentos disponíveis para locação é mobiliada. Portanto, quando um expatriado encerra uma locação em um determinado país para iniciar outra aqui no Brasil, nem sempre ele tem mobília para trazer, pois também está vindo de um apartamento mobiliado.

   Para estrangeiros que mudam para o Brasil por mais de 2 anos, muitas vezes a solução é alugar um apartamento comum e a empresa subsidiar a compra da mobília, ou ainda a locação de mobília com empresas do ramo; essa segunda opção bem mais cara.

   No entanto, há muitos estrangeiros que vem para o que chamamos de short –term, para projetos sazonais que duram em torno de 3-6 meses ou até 1 ano.

   Para esse grupo, a alternativa que muitas empresas encontram é alocar o estrangeiro em um flat ou até mesmo em um hotel. Entretanto, o custo deste tipo de acomodação a longo prazo é muito caro, já que não existem pacotes ou um valor fixo mensal, e sim diárias a serem pagas.

   Diante dessa necessidade e grande demanda do mercado, o mercado de locação de apartamentos corporativos torna-se atraente tanto para investidores quanto para as empresas que recebem expatriados. Em São Paulo já há empresas que trazem este conceito inovador e já bastante expandido e conhecido nos EUA e Europa, oferecendo a possibilidade de locação de apartamentos corporativos, mobiliados, com todas as despesas inclusas e total desburocratização do processo de locação, já que todo processo desde a busca dos imóveis, reserva, pagamento e negociação do contrato, podem ser feitos on line, otimizando dessa forma o tempo do estrangeiro e de todos envolvidos no processo. Além disso, esse novo formato atende tanto aos clientes que vem para temporadas curtas quanto os que vem para um contrato mais longo de 30 meses ou mais."

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É engenheiro de produção pela Poli-USP, com especialização na FGV-SP e MBA pela Fundação Dom Cabral. Tem 20 anos de experiência profissional no setor imobiliário ou em multinacionais instaladas no Brasil e no exterior. Atua como CFO e membro do conselho do grupo Vitacon e administra uma carteira Imobiliária.