Blog InfoMoney

Blog da redação

Em blogs / fora-do-mercado / blog-da-redacao

5 boas ideias de investimento para tempos bicudos

Gestores e investidores estão mais pessimistas com o Brasil, mas, mesmo assim, não faltam oportunidades no mercado - basta se posicionar no lado certo

Raio - Tempestade
(ShutterStock)

Estive neste final de semana na Expert 2013, o congresso anual promovido pela XP Investimentos que reuniu cerca de 30 gestoras de recursos e seguradoras, cinco bancos médios e quase mil agentes autônomos de investimentos em um resort em Mogi das Cruzes (SP). Em um dia de conversas com ao redor de 20 investidores, ficou claro que o humor se deteriorou bastante nas últimas semanas. O Brasil só não deve perder o atual “rating” pela Standard & Poor’s se o governo enxugar gastos de uma forma que ainda não mostrou ter disposição para fazer. A inflação já afeta o consumo e continua a ser uma preocupação para quem investe em empresas ligadas ao mercado interno. Por outro lado, elevar a Selic e cortar gastos públicos para reverter a situação pode empurrar o país para uma recessão. Já se o governo continuar intervencionista e populista mirando as eleições, um cenário com inflação acima da meta por tempo prolongado, dólar pouco abaixo de R$ 2,50 e Selic de 10% passa a ficar mais factível para o final do ano ou 2014. Tamanho é o pessimismo que, entre os poucos gatilhos para a bolsa citados, estão a demissão do ministro da Fazenda ou pesquisas que mostrem a oposição ganhando força nas eleições presidenciais do próximo ano. Abaixo reuni algumas teses de investimento que podem funcionar bem em tempos bicudos como os atuais:

1) Ter posições vendidas: para não ter perdas ou até mesmo lucrar com a bolsa em queda, é interessante ficar vendido em alguns papéis. A operação funciona assim: você aluga uma ação pagando uma taxa de juros ao doador, vende o papel em bolsa e, quando ele cai, é possível recomprá-lo por um preço menor mais à frente. Se acha muito difícil montar a operação, uma boa ideia é investir em fundos long and short. Um dos primeiros fundos desse tipo a serem montados no Brasil é o Claritas Long Short FIC FIM, que já tem quase 11 anos de histórico de rentabilidade. Mesmo com toda a volatilidade dos últimos anos, o fundo só perdeu dinheiro em 2008. Ainda assim, a queda, de 4,57%, foi bem menor que a da bolsa como um todo, de quase 42%. O fundo é bem diversificado, monta entre 40 e 60 pares de ações compradas e vendidas e conta com um rigoroso controle de risco. Desde o início, a rentabilidade é de 468% - ou 161% do CDI. É importante uma ressalva: o fundo cobra taxa de saída, mas o investidor fica isento se avisar a Claritas 30 dias antes de realizar o resgate.

2) Investir no exterior: enquanto a coisa está ficando feia no Brasil, os EUA continuam bombando. Uma ideia é aproveitar que muitos fundos multimercados podem investir até 20% do patrimônio lá fora para tentar surfar o otimismo dos americanos. É importante lembrar que 20% do dinheiro pode ficar no exterior, mas, se o gestor utilizar os recursos para investir por meio de algum derivativo, a exposição real do investidor ao ativo estrangeiro acaba sendo bem maior. Um exemplo de fundo que faz isso é o Opportunity Total FIC FIM. O gestor já fez investimentos em diversos continentes e, atualmente, está comprado em S&P futuro. Se as bolsas dos EUA continuarem em alta, portanto, o investidor pode capturar esse movimento na veia. Nos últimos 10 anos, o fundo apresenta rentabilidade equivalente a 157% do CDI. Só vale uma ressalva: a aplicação inicial mínima é de R$ 50 mil.

3) Bolsa: apesar de o momento não ser bom para o mercado acionário, ainda há quem acredite que, garimpando bons papéis, será possível ganhar dinheiro como nos últimos anos. Quem não se considera um garimpeiro hábil o suficiente pode investir por meio de um fundo de ações. Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura, mas, durante a feira, fiquei bem impressionado com os fundos de ações da Quest Investimentos. Os fundos Quest Small Caps e Quest Top Long Biased estão em segundo e terceiro, respectivamente, no ranking InfoMoney de fundos de ações dos últimos 12 meses. Na verdade, os gestores de renda variável da Quest estão encabeçando a lista de melhores performances desde 2011. Aos interessados, uma dica importante: o fundo Quest Small Caps está com um patrimônio de R$ 280 milhões e fechará para captação quando chegar aos R$ 300 milhões.

4) Small caps: as ações mais líquidas da bolsa estão muito bem precificadas e, em sua maioria, tendem a se desvalorizar se o mercado desandar. Mas também há papéis que ninguém olha e que podem estar bem fora do preço justo. Então, mesmo em um cenário macroeconômico ruim, algumas ações de small caps poderiam subir se o mercado passar a olhá-las com mais atenção. Um fundo de small caps que vem apresentando ano a ano resultados muito consistentes é o Victoire Small Cap Ações FI. A aplicação tem batido o índice de small caps da bolsa, com uma rentabilidade de 31,6% nos últimos 12 meses, 47,1% em 24 meses, 97,1% em 36 meses e 204,9% em 48 meses. O fundo aposta em poucas empresas. Neste momento, a carteira é formada principalmente por Marcopolo, Ferbasa e Millenium. O problema: resgates solicitados hoje só serão concretizados em 94 dias úteis.

5) Títulos ou fundos de inflação ou prefixados: espere um pouco mais para investir. Esses papéis caíram muito nos últimos dias, mas não necessariamente estão baratos. Primeiro porque o mercado já começa a precificar um câmbio mais elevado por um período prolongado, o que deve ter impacto na inflação. Muita gente já aposta que a Selic tenha de subir para algo próximo a 10% ou mais. Como tal elevação ainda não é referendada pela curva de juros, quem entrar agora terá perdas se esse cenário mais pessimista se confirmar. Por ora, continue em ativos de menor risco, indexados à Selic ou ao DI, de preferência com baixas taxas e liquidez diária, para aproveitar eventuais oportunidades que surjam no caminho. Além da deterioração da economia brasileira, nos próximos meses já se espera que o Federal Reserve comece a retirar gradualmente os estímulos monetários nos EUA. A revisão do nível de juros por lá poderá levar a uma escalada global das taxas. Hora de jogar na defesa, portanto. Mas, um pouco mais à frente, se surgir a oportunidade de comprar papéis prefixados a 11% ou 12% ao ano ou títulos de inflação com taxas de IPCA mais 6% ou 7%, pode ser bem interessante aproveitá-la caso você seja um investidor com perfil de longo prazo.

 

perfil do autor

InfoMoney Blogs

Equipe InfoMoney

Blog atualizado pela equipe de jornalistas do InfoMoney

Quer dicas exclusivas?

Preencha os campos abaixo e receba dicas e conteúdos exclusivos do blog Blog da redação

Contato