8 coisas para NÃO fazer com o dinheiro em 2015

Os itens dessa lista NÃO devem estar entre suas promessas de Ano Novo
Blog por Thiago Alvarez  

Você costuma fazer promessas de Ano Novo? Vai passar a virada de amarelo para atrair mais dinheiro em 2015? Acho que todo o pensamento positivo é válido, além, é claro, do esforço pessoal para conseguir construir um ano ainda melhor do que o que passou. Entretanto, você sabe quais são os itens que você deve riscar da sua lista de ações para o ano que vem?

Hoje vou listar nove coisas que muitas pessoas costumam fazer com o dinheiro, mas não deveriam. Descubra quais são e fuja delas enquanto há tempo:

1. Jogar dinheiro fora:

Vamos supor que você tenha R$ 100,00 na sua carteira. Se eu perguntar para você se você quer jogar todo esse dinheiro fora, você (obviamente) dirá que eu sou louco de te pedir uma coisa dessas. Entretanto, é preciso tomar cuidado nas formas de jogar dinheiro fora que não são tão óbvias assim.

Você usa muito o cheque especial? Está habituado a pagar apenas o mínimo da fatura do cartão de crédito? Em um levantamento recente que fizemos aqui no GuiaBolso.com, descobrimos que um em cada quatro brasileiros fecha o mês com a conta no vermelho.

Pode não parecer, mas quando você aciona essas duas formas de crédito superpopulares no mercado é como se estivesse jogando dinheiro fora. Vamos supor que você use R$ 1.500,00 do seu cheque especial. Considerando a média das taxas divulgadas pelo Banco Central, você pagará 7% de juros, ou R$ 105,00, depois de um mês. Olha os R$ 100 da carteira aí...

2. Comprar um iPhone 6 no Brasil

Um levantamento recente mostrou que o preço mais caro do iPhone 6 é visto, mais uma vez, no Brasil. Aqui o aparelho sai a partir de US$ 1.242 (cerca de R$ 3,2 mil) na loja virtual da Apple. Esse valor chega a ser o dobro do cobrado nos Estados Unidos (US$ 649) e no Japão (US$ 587) por exemplo.

Além disso, vários fóruns especializados estão apontando alguns fatores que não justificam o preço ser tão alto assim, como o fato de a autonomia da bateria não ter aumentado tanto assim (11h no iPhone 6 e 10h no 5s), a câmera ter as mesmas configurações do modelo anterior (8mp) e o celular não trazer grandes inovações (tela maior, espessura mais fina, chat por vídeo e teclados customizados são características que já estão há tempos no mercado em outros modelos). Isso para não citar a falta de resistência à água.

Resumindo: no Brasil, ainda vale mais a pena comprar o iPhone 5s até que o preço do 6 baixe.

3. Tirar o pé do acelerador no trabalho

Você já deve ter ouvido que 2015 não será um ano fácil para a economia. A perspectiva de alta da inflação e dos juros tornam o cenário para investimentos pouco favorável. Isso é ruim para as empresas e, consequentemente, para o mercado de trabalho. O ano que vem será de trabalho duro. Prepare-se!

4. Deixar para amanhã o que você pode fazer hoje

Muitas pessoas têm o hábito de parcelar compras em vez de pagá-las à vista. Um levantamento que fizemos aqui no GuiaBolso.com mostrou que 36% das transações de cartão de crédito são parcelamentos, representando 7% da renda dessas pessoas.

Se você tiver a oportunidade de fazer o pagamento à vista, faça. Quando olhadas isoladamente, as parcelas podem parecer ter pouco impacto no orçamento dos próximos meses, mas é preciso lembrar que, somadas a outras parcelas, o peso pode ser enorme.

Se precisar adiar alguma coisa, que seja a compra do bem: é preferível juntar dinheiro para conseguir compra-lo à vista daqui a alguns meses do que fazer parcelas.

5. Gastar tudo o que você ganha sem nem perceber

Muito mês para pouco salário? Isso é sinal de que está faltando planejamento financeiro na sua vida. Sabendo exatamente quanto você ganha e gasta, você consegue criar metas para cada uma das suas despesas, de forma que elas caibam dentro da sua renda e você não precise acabar todo o mês no cheque especial (não se esqueça do primeiro item deste post!).

regra dos 50-15-35 pode te ajudar nessa tarefa, mostrando que é possível garantir um futuro financeiro mais tranquilo sem abrir mão de curtir o presente. 

6. Ficar ansioso para ganhar mais nos investimentos

Em um ano economicamente difícil, como é a expectativa para 2015, suas decisões de investimento devem ser mais conservadoras, priorizando a renda fixa. Fundos DI e Tesouro Direto são opções mais rentáveis do que a poupança e, por isso, boas escolhas para você. Muitas pessoas acreditam que a renda variável é sempre mais rentável do que a fixa, mas um levantamento recente feito pela consultoria Economática mostrou o contrário.

Nos 20 anos do Plano Real, o CDI (Certificado de Depósito Interbancário) rendeu 3.187%, 2.000 pontos percentuais acima do Ibovespa, que valorizou 1.287% no período. No mesmo período, a poupança valorizou 819%. Como no Brasil a tendência é de aumento do CDI, há ainda mais motivo para manter aplicações na renda fixa.

7. Achar que é muito cedo para investir para a aposentadoria

Nunca é cedo demais para começar a guardar dinheiro para a aposentadoria e a lógica dessa afirmação é simples: quanto antes você começar, menor será o impacto desse investimento no seu orçamento, já que você terá mais tempo para acumular o dinheiro de que precisará para quando parar de trabalhar.

8. Viver um padrão de vida que não é o seu

O acesso ao crédito pode nos fazer perder a noção do nosso real potencial financeiro. A dica aqui é a mesma do item 5: saber exatamente quanto você ganha, mapear as despesas mensais e criar metas para cada uma delas.

Com um monitoramento mais próximo dos gastos do dia-a-dia, fica bem mais fácil adequar seu padrão de vida à sua renda, sem perder o controle das contas e cair nas dívidas.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É fundador do GuiaBolso.com, um site de controle financeiro automático e gratuito. Foi consultor da McKinsey & Company. thiago@guiabolso.com.br