Quando considerar a portabilidade de crédito

A portabilidade de crédito pode ser um bom negócio se você realmente tiver certeza que as taxas praticadas pelo novo banco são menores do que o anterior
Blog por Andressa Valli  

A portabilidade de crédito dá a oportunidade ao cliente de transferir, gratuitamente, seu financiamento para outra instituição que apresenta uma oferta de juros mais baixos.

 Mas  a portabilidade nem sempre é vantajosa. Um banco pode oferecer uma taxa de juros menor, no entanto, você deve ficar atento a custos extras, como gastos com cartório ou tarifa de confecção de cadastro. Esses gastos, ao final, podem tornar a dívida maior ao se fazer a portabilidade.

Para saber se realmente vale a pena fazer a portabilidade do crédito, é fundamental olhar o Custo Efetivo Total (CET), que mostrará todas as taxas extras inclusas e o custo final da negociação.

Se você quer portar seu crédito para bancos com taxas mais baixas, veja algumas dicas:

  • Negocie e exija informações como o CET (Custo Efetivo Total) detalhado e o contrato do banco para onde vai migrar seu crédito;

  • A quitação de sua dívida com o banco do qual pretende transferir sua dívida deve ser feita pelo banco para onde você a está levando, e não por você;

  • Não aceite arcar com qualquer custo relacionado à transferência dos valores para a quitação da dívida com o banco do qual está retirando seu crédito, pois isso é ilegal;

  • Na operação de transferência da dívida, não é permitida cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), a não ser que você solicite mais dinheiro (amplie seu financiamento) do novo banco credor e, mesmo assim, o imposto deve ser apenas proporcional ao valor adicional solicitado;

  • Exija do banco de onde vai migrar sua dívida todas as informações sobre ela e suas informações cadastrais em, no máximo, 5 dias;

  • Não aceite a imposição de ter de abrir conta corrente no novo banco credor. No entanto, isso pode ser necessário para créditos em que há depósito direto em conta corrente;

  • A imposição de contratação de qualquer outro produto ou serviço pelo novo banco credor é ilegal - essa prática abusiva é chamada de “venda casada”;

  • Se o banco do qual pretende sair lhe impuser sanções, como a retirada de benefícios ou produtos como cheque especial e cartão de crédito, denuncie e não aceite a prática, que é abusiva, pois equivale à uma venda casada “às avessas”, pois condicionam um produto ou serviço em função de outro;

Aproveite essas dicas e veja se, para você, vale a pena fazer a portabilidade do seu crédito imobiliário.

 

Fonte: BlogDaLux.com.br

Link: http://bit.ly/1MoY5vp

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil da blogueira

É publicitária, pós-graduada em relações públicas e gerente comercial de uma das maiores imobiliárias do país. contato@blogdalux.com.br