Em ambevsa

Brasil é água no chope da Ambev em 2018; ações despencam após resultados

Resultados positivos na América do Sul podem ser explicados pela alta nos preços, mas volumes decepcionam  

Chopp
(Shutterstock)

SÃO PAULO – A Ambev (ABEV3) divulgou nesta quinta-feira (28) o balanço financeiro referente ao quarto trimestre de 2018. Apesar do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) acima das expectativas (R$ 7,5 milhões), os resultados em geral decepcionaram parte dos analistas do setor pela inconsistência.

A ação da Ambev despencou nesta quinta-feira após a divulgação dos resultados. Às 17h38, a queda era de 6,15%. 

O destaque positivo está na América do Sul, mas com números que podem revelar inconsistência. A receita líquida de R$ 3,4 bilhões, 9% acima do consenso de analistas, pode ser explicada por preços altos na região. O mercado Argentino, hiperinflacionado, teve alta nos preços 62% acima do estimado. 

No Brasil, houve queda 2,1% no consumo de cerveja, e a Ambev estima que perdeu 40 pontos-base de participação de mercado nacional em 2018, depois de ter ganho cerca de 60 pontos-base em 2017. Em não alcoólicos, a queda foi ainda mais decepcionante: a queda no consumo foi de 10%, enquanto alguns analistas esperavam até mesmo uma alta.

Fontanesi acredita que o Brasil ditará o rumo para as ações da Ambev nos próximos meses, ainda que a queda na venda de cervejas da empresa seja provavelmente menor que a do mercado como um todo (estimada pelo analista em 3%). “Na nossa opinião, os resultados do trimestre não mostraram grande recuperação na tendência para as vendas de cerveja no Brasil”, escreve o analista em relatório.

Ele destaca, ainda, que a Heineken teve problemas nas entregas nos últimos meses do ano passado e cresceu apenas um dígito no Brasil, o que deveria ter sido positivo para a fabricante da Skol.

O que temos para 2019

Soma-se às preocupações futuras o fato de as engarrafadoras brasileiras já estarem operando em capacidade máxima. “Isso pode limitar o volume de crescimento [no longo prazo]”, diz o analista ao justificar sua visão neutra para o papel.

Em sua leitura do balanço, a analista da XP Research Betina Roxo destaca os planos da empresa para melhorar o Ebitda em 2019. Eles passam por portfólio robusto; capacidade de distribuição (ainda consideravelmente maior que a concorrência); cronograma de inovações; investimento comercial visando melhorar a experiência do consumidor; e equipe.

Vale lembrar que os custos de produção também devem aumentar. A Ambev espera que o custo total por hectolitro no Brasil aumente dois dígitos devido à depreciação do real e aos preços das commodities, lembra Betina. Para analistas do Itaú BBA, considerando os resultados positivos na Argentina mesmo com a inflação alta, a empresa parece estar preparada para esse aumento.

Cerveja premium 

Há alguns meses, analistas batem na tecla de uma mudança nos hábitos de consumo de cerveja em território Brasileiro. Não à toa, os esforços publicitários da Ambev para o Carnaval está na Skol Puro Malte, lançada em meados de dezembro. A empresa ganhou uma fatia de mercado de 35% neste segmento ante 2017.

“A melhor performance pode ser atribuída ao avanço de Corona e Stella”, explica o Credit Suisse, destacando a possibilidade de crescimento no Ebitda graças aos preços mais elevados destes rótulos.

Invista em ações com corretagem ZERO pela Clear. Clique aqui e abra sua conta. 

 

Contato